Estudo comprovou que arroz foi cultivado primeiramente no sul da China e depois foi levado para outras partes da Ásia

AFP

Pesquisadores analisaram o genoma de mais de 1.000 variedades de arroz cultivado
Reuters
Pesquisadores analisaram o genoma de mais de 1.000 variedades de arroz cultivado

Uma equipe de pesquisadores chineses e japoneses apresentou na revista Nature um mapa completo das variações do genoma do arroz asiático, conseguindo assim um novo esclarecimento da história do cultivo do cereal que nutre 3 bilhões de humanos.

Quase todo o arroz cultivado é da espécie Oryza sativa L. , conhecida como "arroz asiático", e dividida em duas subespécies: índica e japônica.

Considera-se que o arroz cultivado foi domesticado a partir do arroz selvagem ( Oryza rufipogon ) milhares de anos atrás, mas há debates em torno da origem e do processo de domesticação.

Bin Han, da Academia Chinesa de Ciências, e seus colegas analisaram o genoma de mais de 1.000 variedades de arroz cultivado, assim como cerca de 500 variedades de arroz selvagem.

Leia mais:
Cientistas desenvolvem "superarroz" que se adapta ao clima
Rastreamento do genoma do arroz revela cruzamentos

Eles também demonstraram que o arroz Oryza sativa japônica foi o primeiro domesticado a partir de uma pequena população de arroz selvagem no sul da China, e depois foi cruzado com o arroz selvagem local no sul da Ásia e no sudeste asiático para produzir o arroz Oryza sativa índica .

"Um entendimento melhor da domesticação ajudará nos esforços futuros de seleção", afirmam os autores do estudo.

Cerca de 155 milhões de hectares de arroz cultivados no mundo produzem atualmente 720 milhões de toneladas de arroz por ano, e a Ásia garante 90% da produção mundial.

Para garantir a segurança alimentar de parte importante da população mundial, a produção deve ser duplicada até 2030 e o arroz deve evoluir para variedades mais produtivas. 

Veja outras espécies de animais e vegetais que tiram o genoma sequenciado: 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.