Foto tirada pela sonda espacial Cassini mostra detalhes dos anéis lançando sombra sobre planeta

BBC

Cassini seguirá pesquisando Saturno até ao menos 2017
Nasa
Cassini seguirá pesquisando Saturno até ao menos 2017

Uma nova imagem recém-divulgada pela espaçonave Cassini, da Nasa, traz detalhes dos célebres anéis de Saturno e do lado sul do planeta.

A imagem foi registrada em junho quando o veículo espacial estava a 2,9 milhões de quilômetros de Saturno – o segundo maior planeta do sistema solar, menor apenas que Júpiter.

As câmeras da Cassini registraram o lado sul, mal iluminado, dos anéis. A imagem foi registrada quando a sonda fazia uma trajetória de cerca de 14 graus abaixo dos anéis.

Os anéis lançam uma vasta sombra sobre a superfície do planeta.

A composição dos anéis mistura gelo, poeira e material rochoso.

Ponto minúsculo
A imagem mostra a lua de Encélado, de 504 quilômetros de diâmetro, que parece um ponto minúsculo ao lado esquerdo do enorme planeta. Saturno possui ao menos 60 luas.

A missão da Cassini, orçada em US$ 3,2 bilhões (cerca de R$ 6,5 bilhões), foi lançada em 1997, e a nave espacial vem estudando o planeta desde 2004, quando começou a orbitar em torno dele.

Leia mais:
Sonda Cassini registra formação de tempestade gigante em Saturno
Lua de Saturno pode ter oceano submerso
Sonda Cassini captura 'guerra de bolas de neve' em anel de Saturno

Em 2004, a sonda Huygens se separou da Cassini e alcançou a maior lua de Saturno, Titã, em janeiro de 2005.

Encélado e Titã são satélites de grande interesse científico, uma vez que contam com água no formato líquido a pouca profundidade de sua superfície. E possuem ainda gêisers, que lançam água vaporizada.

Titã possui muitas características mais próprias de um planeta do que de um lua. Além da Terra, ela é o único corpo celeste que possui uma atmosfera densa e cheia de nitrogênio, se assemelhando a uma Terra primitiva. Por isso, muitos cientistas acreditam que ela seria capaz de abrigar alguma forma de vida.

A Cassini continuará pesquisando Saturno até, pelo menos, 2017.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.