Primeira análise dos dados obtidos a partir do mapa em alta resolução do cérebro humano tem implicações para compreensão básica do cérebro humano e para medicina

EFE

Mapa abrange  permite visualizar em três dimensões a atividade dos genes em distintas partes do cérebro
Divulgalção
Mapa abrange permite visualizar em três dimensões a atividade dos genes em distintas partes do cérebro

Apesar das diferenças de personalidade e habilidades cognitivas, os cérebros humanos são mais parecidos do que os cientistas pensavam e escondem uma grande complexidade bioquímica. Os cérebros compartilham a mesma estrutura molecular básica, mesmo pertencendo a pessoas muito diferentes, e possuem uma enorme complexidade bioquímica.

Estas conclusões foram feitas a partir da primeira análise em grande escala dos dados obtidos pelo projeto "Allen Human Brain Atlas", o primeiro mapa em alta resolução do cérebro humano que integra tanto sua anatomia como sua informação genética.

Embora o atlas já tenha sido apresentado no ano passado , nesta semana estudo publicado no periódico científico Nature divulga apenas hoje as primeiras conclusões do estudo, realizado por uma equipe de cientistas do Allen Institute for Brain Atlas de Seattle, liderados pelo matemático Michael Hawrylycz.

O mapa, desenhado a partir do cérebro completo de dois homens saudáveis e de um só hemisfério de um terceiro, abrange cerca de 900 subdivisões deste órgão e permite visualizar em três dimensões a atividade dos genes em distintas partes do cérebro.

Leia mais:
Cientistas criam modelo que reproduz as conexões neurais de um rato
Cientistas descobrem circuito neural que regula a fome
Cientistas conseguem apagar memórias em laboratório
Nova tecnologia pode ajudar em problemas neurológicos
Cientistas encontram grupo de neurônios ligados à agressividade
Conheça quatro mitos sobre o funcionamento do cérebro humano

Assim, os cientistas observaram que 84% dos genes se expressam em algum lugar do cérebro humano, em padrões que se parecem muito em diferentes cérebros.

Além disso, segundo Lein, o hemisfério direito e esquerdo não mostram grandes diferenças quanto à arquitetura molecular.

"Estes resultados só arranham a superfície do que podemos aprender a partir deste imenso conjunto de dados. Estamos impacientes para ver o que outros (pesquisadores) podem descobrir", comentou Lein.

Os cientistas continuarão acrescentando dados ao atlas durante este ano, e com eles esperam obter nova informação sobre o impacto de doenças como o Alzheimer, epilepsia, Parkinson, autismo e esquizofrenia sobre distintas regiões cerebrais.

Há vários anos existem mapas de alta resolução que mostram a expressão dos genes no cérebro dos ratos, mas até agora só haviam sido elaborados atlas muito simplórios do cérebro humano devido, entre outros fatores, ao fato de ser mil vezes maior que o dos roedores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.