Grã-Bretanha pode legalizar geração de bebês com DNA de 3 pessoas

Método de manipulação genética que substitui parte do DNA materno por o de outra pessoa visa eliminar o risco de doenças mitocondriais herdadas da mãe

AFP |

AFP

Getty Images
Mãe e bebê: especialistas afirmam que impacto de técnica na sociedade ainda é desconhecido

A Grã-Bretanha autorizou uma consulta pública para decidir se autoriza ou não a aplicação de uma técnica para prevenir certas doenças, o que levaria alguns bebês a nascerem com material genético de três pessoas.

A manipulação visa a eliminar o risco de doenças mitocondriais graves herdadas da mãe pela substituição, por meio de fertilização in vitro, de uma parte do DNA mitocondrial materno por um DNA saudável proveniente de uma terceira pessoa, uma doadora.

Acredita-se que a técnica seja capaz de evitar, por exemplo, certas distrofias pouco comuns, como a síndrome de MELAS.

Leia mais:
Grã-Bretanha debate fertilização envolvendo DNA de três pessoas
Cientistas temem que pesquisas médicas criem macacos falantes
Fertilização in vitro: um milagre diário, porém questionável
Cientistas dizem poder prever quais embriões têm mais chance em fertilização in vitro
Nascem os primeiros macacos quiméricos do mundo

"Qualquer criança nascida após uma substituição da mitocondria compartilhará DNA com três pessoas, embora se trate apenas de uma quantidade diminuta da doadora", informou a Autoridade de Fecundação e Embriologia (HFEA). No entanto, "o DNA mitocondrial da doadora será transmitido às gerações futuras".

"Entramos em um terreno desconhecido, fazendo o balanço entre o desejo de ajudar as famílias a ter filhos saudáveis e o possível impacto nas próprias crianças e na sociedade", declarou a presidente da HFEA, Lisa Jardine.

Os resultados desta consulta terão que ser levados em conta pelo governo para decidir se legalizar ou não esta técnica que só é usada nos laboratórios de pesquisa. Se for legalizada, a Grã-Bretanha será o primeiro país a fazê-lo, segundo o jornal Daily Telegraph.

    Leia tudo sobre: ciênciagenéticaDNAmanipulação genética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG