Dinossauro disputado na Justiça pode ser uma montagem

Fóssil de tiranossauro bataar foi chamado de "Frankenstein" por advogados, durante ação de confisco dos ossos, vendidos em maio por mais de 2 milhões de reais

Reuters | - Atualizada às

Reuters

AP
Fóssil do tiranossauro em disputa judicial nos EUA: um Frankenstein fóssil, segundo os advogados

Um esqueleto de dinossauro com idade estimada em 70 milhões de anos, alvo de uma disputa judicial internacional, é na verdade uma espécie de Frankenstein, reunindo partes de várias criaturas, disse um advogado na quarta-feira (5) a um tribunal federal de Nova York.

A alegação --contestada por promotores-- pode complicar a ação de confisco movida pelo governo dos EUA contra um comerciante de fósseis da Flórida que reconstruiu ossos de um tiranossauro bataar e leiloou a peça por 1,05 milhão de dólares em maio. O material de divulgação do leilão sugeria que se tratava da reconstrução de um só animal.

Veja a galeria: os novos dinossauros 

Em junho, autoridades dos EUA confiscaram o esqueleto, que tem 2,4 metros de altura e 7,3 de comprimento, por causa de suspeitas apresentadas pela Mongólia de que o material teria sido retirado ilegalmente do deserto de Gobi.

Na quarta-feira, Michael McCullough, advogado do paleontólogo comercial Eric Prokopi, disse que cerca de metade da reconstrução --ossos fossilizados fundidos a uma estrutura metálica-- veio de apenas uma criatura, e a outra metade, de "pelo menos duas, provavelmente muitas".

"É uma espécie de modelo Frankenstein de um dinossauro, partes de vários dinossauros", observou, surpreso, o juiz P. Kevin Castel.

Leia também:
Genealogia mostra que tiranossauros já foram do tamanho de cães
Descoberta do tiranossauro Sue comemora 20 anos
Descoberto maior dinossauro com penas
Nenhum animal foi ferido na confecção deste fóssil
Descoberta na Argentina nova espécie de dinossauro carnívoro

Mas peritos do governo aparentemente acreditam que a reconstrução deriva de uma só criatura. "Eles não notaram que isso era de várias fontes?", perguntou o juiz Castel ao promotor Martin Bell.

"A opinião deles é que se trata principalmente de um dinossauro", respondeu Bell. "Foi comercializado como um dinossauro. Um (reconstrução) 75 por cento completo, mas um dinossauro."

No pedido de devolução, a Mongólia também partia da suposição de que o esqueleto leiloado era de um só espécime. Prokopi não disse de onde obteve os ossos do tiranossauro bataar, que é um primo do famoso tiranossauro rex.

    Leia tudo sobre: dinossaurofóssilfraudedisputa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG