Nasa adia novamente o lançamento de duas sondas espaciais

Mau tempo impediu lançamento do foguete Atlas V que colocará em órbita as sondas espaciais. Data prevista é a próxima quinta-feira

EFE | - Atualizada às

EFE

AP
Lançamento do foguete Atlas V foi adiado novamente devido ao mau tempo

A Nasa (agência espacial americana) adiou para a próxima quinta-feira o lançamento de um foguete Atlas V que deve pôr em órbita duas sondas espaciais para o estudo da influência do Sol sobre a Terra e os anéis de radiação que a rodeiam . O lançamento no Cabo Canaveral (Flórida) estava previsto para este sábado, mas inicialmente foi atrasado durante pelo menos 24 horas devido ao mau tempo.

Finalmente, e após uma avaliação das previsões meteorológicas desfavoráveis devido à tempestade tropical Isaac que castiga a região, a Nasa decidiu programar o lançamento para quinta-feira, segundo seu site oficial.

A partida do foguete estava prevista originalmente para sexta-feira (24) , mas ficou postergada devido a uma falha em um dos monitores das condições meteorológicas. A missão, denominada Radiation Belt Storm Probes (RBSP), tem como objetivo estudar os cinturões de Van Allen, dois anéis gigantes de plasma que envolvem a Terra. Nestas zonas se concentram as partículas eletrificadas que além da atmosfera protetora da Terra dominam o Universo.

De fato, 99% do universo está composto por este gás eletrificado, conhecido como plasma. Estes anéis de superfície toroidal são as áreas nas quais os prótons e elétrons circulam, em espiral e em grande quantidade, entre os pólos magnéticos da Terra.

As sondas RBSP foram desenvolvidas para analisar a forma como o Sol, e em particular as tempestades solares, afetam o entorno terrestre em várias escalas de espaço e tempo. Outros satélites que orbitam na região estão programados para apagar seus sistemas ou proteger-se quando ocorrem intensas tempestades solares, mas os da missão RBSP seguirão colhendo informação e por isso foram construídos para suportar o bombardeio de partículas e radiação nos cinturões de Van Allen.

Os instrumentos das sondas proporcionarão as medições que os cientistas necessitam para compreender não só a origem das partículas eletrificadas, mas também os mecanismos que dotam essas partículas de grande velocidade e energia.

As duas sondas RBSP terão órbitas excêntricas quase idênticas, que cobrem toda a região dos cinturões de radiação, e os satélites se cruzarão várias vezes no curso de sua missão. As sondas octogonais pesam mais de 635 quilos cada uma e medem 1,85 metros de largura e 90 centímetros de altura.

Os sensores de campo elétrico e magnético se estendem sobre varas que os afastam da sonda, que pode gerar seus próprios campos elétrico e magnético e distorcer as medições.

    Leia tudo sobre: nasaatlas vmagnetismosoltempestades solares

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG