Investidor aposta em carne artificial produzida por impressão 3D

Cofundador do PayPal comprometeu cerca de 700 mil reais em projeto baseado em tecnologias existentes de impressão biológica

EFE | - Atualizada às

EFE

O multimilionário e excêntrico Peter Thiel, cofundador do PayPal, investirá até US$ 350 mil em uma empresa que tem um projeto de imprimir estruturas tridimensionais com proteínas que poderiam substituir à carne tradicional.

As impressoras tridimensionais, que já são usadas para criar implantes, peças de bicicletas e inclusive réplicas de armas, podem ser utilizadas, segundo a empresa Modern Meadow, para "imprimir" filés, sem a necessidade de matadouros e dos próprios animais.

Leia também:
Primeiro hambúrguer de carne artificial deve ir à mesa em outubro
Impressão biológica: o próximo passo da medicina
Vídeo: Impressora 3D poderia imprimir tecidos biológicos

Segundo informou a Thiel Foundation em comunicado, o investimento tramitará através do fundo Breakout Labs, que promove tecnologias revolucionárias e a inovação científica. "A Modern Meadow está desenvolvendo um novo enfoque para a produção de carne e couro que está baseado nos últimos avanços em engenharia de tecidos e não causa dano aos animais", assinala o comunicado, em um claro recado para potenciais consumidores vegetarianos.

"Combinando medicina regenerativa com impressão 3D imaginem uma solução econômica e compassiva para problemas globais", comentou Lindy Fishburne, diretora-executiva da Breakout Labs. Os cientistas já fizeram avanços na criação de "bio-impressões" para medicina regenerativa de órgãos e a criação de peças de carne seria algo mais simples.

A carne tomaria forma primeiro na tela de um computador para depois passar ao mundo real mediante a colocação de proteínas em estruturas de tecidos animais na impressora.

Este avanço "pode fornecer uma fonte sustentável de proteína animal para consumidores de todo o mundo", prevê a fundação de Thiel. Embora a Breakout Labs não tenha divulgado o montante concreto do investimento, suas ajudas sempre oscilam entre US$ 250 mil e US$ 350 mil. EFE jmr/rsd

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG