Cientistas estão mais perto de desenvolver anticoncepcional masculino

Composto que interrompe temporariamente a produção de esperma foi testado com sucesso em ratos de laboratório por cientistas dos Estados Unidos

AFP |

AFP

Getty Images
Espermatozoides vistos em microscópio: novo medicamento interrompe produção e pode ser usado como anticoncepcional masculino

Uma pesquisa inovadora com ratos de laboratório aumentou as esperanças de se desenvolver uma pílula anticoncepcional para homens, segundo estudo de cientistas americanos.

Um composto inicialmente concebido para deter o câncer demonstrou ser capaz de interromper a produção de esperma nos ratos, segundo os cientistas.

Uma vez suspensa a administração do medicamento, os roedores recuperaram a fertilidade, demonstrando-se capazes de ter descendentes saudáveis.

Leia mais:
Pesquisadores conseguem produzir esperma em laboratório
Espermatozoides realizam cálculos complexos, dizem cientistas
Ultrassom nos testículos 'pode ser novo contraceptivo masculino'
Descoberta de gene pode levar a contraceptivo masculino

"Se o medicamento deixar de ser dado, há uma reversibilidade completa", disse Martin Matzuk, do Baylor College of Medicine de Houston, Texas.

O composto é conhecido pelo nome laboratorial JQ1, em homenagem ao químico que o concebeu, Jun Qi, com a ideia inicial de bloquear um gene denominado BRD4, causador de câncer.

No entanto, o mesmo composto é capaz de inibir proteínas chamadas bromodomínios. Uma delas, a BRDT, desempenha um papel importante na produção de esperma.

Ao inibir esta proteína, o composto JQ1 diminui substancialmente a quantidade e a qualidade do esperma, tornando o rato estéril.

No entanto, é pouco provável que o JQ1 seja a descoberta definitiva para este tipo de contracepção masculina, já que segundo Matzuk, o composto "afeta outros membros da família dos bromodomínios".

O especialista acrescenta que "no entanto, os dados provam o princípio de que a BRDT é um excelente objetivo frente à contracepção masculina e nos dá uma informação valiosa para o desenvolvimento de um futuro produto".

O estudo foi publicado no periódico científico Cell.

    Leia tudo sobre: anticoncepcionalhomensfertilidade

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG