Astrônomos encontram galáxia ‘supermãe’

Galáxia a 5,7 bilhões de anos-luz da Terra produz duas estrelas por dia e ganhou o nome de Fênix, porque deveria estar morta

iG São Paulo |

Nasa
Ilustração mostra aparência da galáxia "supermãe", que gera duas estrelas por dia

Cientistas anunciaram nesta quarta-feira (15) a descoberta de uma “supermãe” cósmica: uma galáxia que gera mais estrelas em um dia do que a nossa em um ano.

Os astrônomos usaram o telescópio de raios X Chandra para encontrar esta galáxia gigente, que cria cerca de 740 estrelas por ano, ou seja, duas por dia. Em comparação, a Via Láctea, onde se encontra o Sistema Solar, gera apenas uma estrela anualmente.

Veja imagens do espaço 

Ela está a 5,7 bilhões de anos luz de distância, no centro de um aglomerado de galáxias recém-descoberto, que emite o brilho de raio X mais forte já visto pelos cientistas. É de longe a maior geração de estrelas encontrada neste tipo de galáxia (que estão no centro de aglomerados).

Mas de acordo com seu tamanho, tipo e idade, esta galáxia não deveria estar produzindo tantas estrelas e de modo tão rápido, disseram os autores do estudo, publicado nesta semana no periódico científico Nature. “É muito extremo”, afirmou o coautor Ryan Foley, do departamento de astronomia da Universidade Harvard. “Está além do limite do que conhecemos”.

Leia mais:
Astrônomos preveem colisão de Via Láctea com galáxia vizinha
Cientistas  flagram buraco negro devorar estrela
Via Láctea tem bilhões de planetas supostamente habitáveis
Telescópio capta aglomerado de estrelas dentro de aglomerado
Hubble capta imagem panorâmica de área turbulenta do espaço
Galáxia "sorri" com dois buracos negros


Não é a única característica estranha desta galáxia. De acordo com os autores, ela é razoavelmente madura, com cerca de seis bilhões de anos. “Este tipo de galáxia normalmente só fica lá, sem fazer nada de novo. É o que chamamos de “vermelha e morta”, disse o líder da pesquisa Michael McDonald, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (na sigla em inglês, MIT). “Ela parece ter voltado à vida por algum motivo”.

Por causa disso, o grupo de 85 astrônomos que estudou a galáxia a apelidou de “Fênix”, em homenagem ao pássaro mitológico que renasce de suas cinzas.

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: espaçogaláxiaestrelas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG