Pesquisadores encontram evidências de que neandertais comiam vegetais

Análise de dentes encontrados em sítio na Espanha reforçam teoria que dieta dos hominídeos era bastante variada

EFE |

EFE

Pesquisadores paleoantropólogos, que trabalham na jazida arqueológica de Sima de las Palomas, na província de Múrcia, na Espanha, descobriram que a dieta dos neandertais não era baseada somente em carne, mas também incluía vegetais.

O diretor da escavação Michael Walker apresentou nesta segunda-feira (13), na cidade de Torre Pacheco, onde se encontra a jazida, diversas provas achadas durante as escavações. Na jazida, foram encontrados rastros de fitólitos (pequenos elementos minerais que só existem em plantas) nos dentes dos crânios descobertos, o que demonstra que os neandertais comiam plantas, possivelmente sementes de gramíneas, segundo Walker.

Leia também:
Neandertais tomavam camomila, diz estudo
Menu dos antepassados do homem era mais variado do que se pensava
Análise de dentes mostra dieta incomum em ancestral humano
Parente próximo dos humanos comia grama
Uso do fogo é mais recente do que se pensava
Homem de neandertal já cozinhava alimentos e comia vegetais

Antropólogos e arqueólogos de diversos lugares do mundo trabalham na escavação. Profissionais das Universidades da Califórnia, de Indiana, Saint Louis, Miami, Rutgers, Carleton e Nova York (Estados Unidos); Nottingham, Reading, Leicester e Cambridge (Reino Unido), Sydney (Austrália), Oslo (Noruega) e Vancouver (Canadá), entre outros, auxiliam os trabalhos no sítio.

No local, também foram encontrados restos de ossos de animais com sinais de alteração por combustão, o que deixa evidente que o fogo era utilizado pelos musterienses para "alimentação ou aquecimento", disse Walker.

Os restos arqueológicos foram descobertos, casualmente em 1991, um ano depois que os trabalhos de pesquisa foram iniciados. Porém, somente a partir de 2005 restos humanos e de hominídeos começaram a ser encontrados.

Até 2010, no entanto, foram descobertos mais de 300 ossadas, incluindo crânio e mandíbulas, que constituem o mais importante conjunto de restos fósseis da espécie Homo neanderthalensis .

As pesquisas realizadas pelo grupo de arqueológicos não descartam a possibilidade de que os restos humanos, que foram encontrados sob pedras e lajes, fossem cobertos intencionalmente, o que evidenciaria a existência de ritos funerários.

    Leia tudo sobre: paleontologianeandertaisevolução

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG