Base da Antártida estava em festa quando fogo começou

Investigadores da polícia levantaram a hipótese de o sistema de alarme ter sido desligado para não atrapalhar comemoração

Agência Estado |

Agência Estado

AP
Base brasileira na Antártida foi destruída em incêndio no dia 25 de fevereiro

No momento em que a base brasileira na Antártida começou a ser destruída por um incêndio, na madrugada de 25 de fevereiro, funcionários militares e civis da Marinha e cientistas de universidades brasileiras participavam de uma festa chamada Baile da Terceira Idade, na qual houve consumo de bebidas alcoólicas.

Mantida em sigilo tanto pela Marinha quanto pelo grupo de 31 cientistas que estavam na base Comandante Ferraz, a realização da festa, com bebidas como cerveja e vinho, foi investigada pelo inquérito policial militar (IPM) aberto no dia do desastre para apurar causas e responsáveis.

Veja também: Pesquisadores dizem que ainda não foram indenizados

Como o alarme não disparou quando o incêndio começou, os encarregados pelo inquérito suspeitavam que o sistema pode ter sido desligado por ordem do comando da base. O objetivo seria não atrapalhar a festa. Na pista de dança há um mecanismo que espalha fumaça de gelo seco, como em uma boate. Os sensores são sensíveis e poderiam disparar, anunciando um falso incêndio.

Leia também:
Falha no sistema elétrico pode ter causado incêndio, diz embaixador
Acidente em base na Antártida expõe crise do programa brasileiro
Pesquisadores e militares que estavam na Antártida voltam ao Brasil
Chile oferece ajuda na reconstrução da base na Antártica
70% da estação na Antártida foi destruída pelo fogo, diz Marinha
Acidente expõe crise do programa brasileiro, diz pesquisador

Os cientistas não souberam responder nos depoimentos se os sensores foram desligados ou não, já que a decisão, se tomada, seria de atribuição militar. Alguns deles alegaram que sequer sabiam da localização do dispositivo que os desativava.

O IPM foi concluído e encaminhado em 15 de maio à 11.ª Circunscrição Judiciária Militar, "classificado como sigiloso, em atendimento ao Artigo16 do Código de Processo Penal Militar", de acordo com comunicado divulgado à noite pela Marinha. As perguntas encaminhadas à Marinha pelo Estado sobre as conclusões e a realização da festa não foram respondidas. 

    Leia tudo sobre: antártidacomandante ferrazincêndio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG