Zoológico de Buenos Aires tem futuro incerto

Patrimônio histórico nacional virou alvo de disputa política. Instituição argentina recebe críticas pela situação dos mais de dois mil animais

EFE |

EFE

O zoológico de Buenos Aires, catalogado como patrimônio histórico nacional por sua arquitetura vitoriana, tem futuro incerto após a tentativa do governo da capital argentina de licitá-lo, frustrada no último momento pela oposição nos tribunais.

Situado no bairro de Palermo, o zoo, que abriu as portas em 1875, ocupa 18 hectares e abriga cerca de dois mil animais de 73 espécies.

Um passeio por suas instalações é como uma viagem no tempo: pelas grades de um aviário de inspiração andaluza veem-se macacos, enquanto os três elefantes entram e saem de seu templo hindu e passeiam aborrecidos pelo pequeno espaço disponibilizado.

Privatizada nos anos 90, sob o governo do ex-presidente Carlos Menem, nos últimos anos a instituição recebeu críticas pela situação dos animais e agora é alvo de uma batalha política pela decisão do prefeito, Mauricio Macri, de licitar sua gestão.

Leia também matérias sobre zoológico de Lujan:
Zoo argentino causa polêmica ao permitir entrada em jaulas de tigre
“Eu não deixaria minha mãe entrar naquela jaula”, afirma especialista
Um dia em Lujan

Um relatório da Auditoria Geral de Buenos Aires denunciou que entre 1990 e 2008 foram perdidas 31 espécies de mamíferos e 72 espécies de aves, que representavam 23% e 55%, respectivamente, das espécies do zoológico.

O atual diretor do espaço, o ecologista Claudio Bertonatti, que ocupa o cargo há seis meses, confirma os dados, mas minimiza a importância dos números: "Muita gente acredita que quanto mais espécies um zoo tiver, melhor será, mas é um erro. Nós poderíamos aumentar o número de espécies se aceitássemos todos os animais que foram recuperados em apreensões, mas não o fazemos porque chegam muito maltratados e seria contraproducente", contou.

Bertonatti alegou que se sente "orgulhoso" que nos últimos anos tenham sido "devolvidos à natureza" cerca de 400 animais, entre eles "107 condores andinos que agora voam livres por vários países da América Latina".

Para o diretor, o zoo deve ser transformado "de um centro de entretenimento a um espaço de preservação com quatro objetivos: preservar, educar, pesquisar e, por último, entreter".

Para o gestor, o melhor modelo é o zoológico do Bronx, já que acredita que o ideal seria que, como em Nova York, os animais vivessem em "condições de semiliberdade", embora admita que a instituição americana possui um espaço seis vezes maior que os 18 hectares "não ampliáveis" do zoo de Buenos Aires.

Veja também:
Zoológicos de NY protegerão tartarugas em risco de extinção
Tartaruga consegue fugir de zoológico de Nova York
Zoológicos podem garantir sobrevivência de espécies ameaçadas

Enquanto os ecologistas se preocupam com a melhora das instalações e o bem-estar dos animais, os políticos portenhos se enfrentam em uma batalha legal sobre o futuro da instituição.

A juíza Elena Liberatori aceitou o apoio oferecido pelo legislador opositor Adrián Camps e suspendeu a licitação pública defendida pelo governo da cidade pela condição do espaço e "a especial proteção de categoria constitucional e legal à qual ele está sujeito".

Elena sentenciou que qualquer futura concessão do zoológico deve ser aprovada pela legislação, mas a diretora da Direção Geral de Concessões de Buenos Aires, Silvia Imas, afirmou que apelarão da sentença porque consideram que a licitação "é a melhor forma de regularizar uma concessão vencida e ter cinco anos para repensar como será o zoológico do futuro".

Camps, membro do Partido Socialista Autêntico, recebeu com euforia a decisão judicial e ressaltou que "o zoo é uma raridade internacional, porque conserva as construções vitorianas originais, ao contrário do de Londres, onde muito foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial, e sua gestão deve ser pública".

O político declarou à Efe que espera que agora "se abra um debate sobre o futuro do zoológico e sua concepção", já que, em sua opinião, a ideia de lugar "para exibir animais em cativeiro, enjaulados, já não é aceitável".

Tanto o diretor do espaço quanto Camps lamentam que na folha de licitação seja exijido que 85% dos fundos sejam destinados à restauração dos prédios históricos e só 15% para melhorar a oferta de conservação e a função educativa.

Silvia nega esses dados, mas reconhece que a exigência para a restauração é muito maior "porque são prédios históricos e estão muito deteriorados".

À espera que a batalha política termine, o zoológico continua sua lenta transformação, e inaugurou recentemente um aviário com aves recuperadas do tráfico de animais, visando à conscientização.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG