Nave Soyuz se acopla à Estação Espacial Internacional

Tripulação composta por um russo, uma americana e um japonês vai permanecer na ISS por seis meses

EFE |

EFE

AP
A americana de origem indiana, Sunita Williams, é a mulher que permaneceu mais tempo no espaço

A nave russa Soyuz TMA-05M, com três tripulantes a bordo, se acoplou nesta terça-feira com sucesso à Estação Espacial Internacional (ISS, em inglês), informou o Centro de Controle de Voos Espaciais (CCVE) da Rússia.

"O engate aconteceu em regime automático e na hora prevista", disse um porta-voz do CCVE citado pela agência oficial russa "RIA Novosti".

A Soyuz levou à ISS o cosmonauta russo Yuri Malenchenko, a americana Sunita Williams e o japonês Akihiko Hoshide, que integram a 33ª expedição à plataforma orbital.

Uma vez verificado o hermetismo do acoplamento, a escotilha será aberta, o que deverá acontecer entre 4h25 e 4h55 (horário de Brasília).

Leia mais:
Nave Soyuz decola com 3 tripulantes a bordo
Soyuz embarca para ISS com boneca a bordo
Soyuz TMA-03M aterrissa com sucesso

Os recém-chegados, que permanecerão seis meses no espaço, serão recebidos pelos atuais tripulantes da ISS: os russos Gennady Padalka e Sergei Revin e o astronauta da Nasa de origem portorriquenha Joe Acaba.

Assim que os três novos integrantes da plataforma orbital se acomodarem, Sunita exercerá a função de engenheira de voo até setembro, quando substituirá Padalka como comandante.

A americana de origem indiana é a mulher que permaneceu mais tempo no cosmos e também a que mais horas passou fora da ISS em caminhadas espaciais.

A manobra de engate desta terça-feira coincidiu com um importante aniversário na história da prospecção espacial: em 17 de julho de 1975 aconteceu o acoplamento da nave soviética Soyuz-19 e da americana Apolo 18, que se tornou um símbolo da distensão entre as duas potências

    Leia tudo sobre: espaçosoyuz

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG