Pesquisadores da Universidade da Califórnia vão usar a técnica do inseto para desenvolver robôs mais ágeis

Ilustração mostra modo como barata foge de predadores, pulando de uma extremidade
The New York Times
Ilustração mostra modo como barata foge de predadores, pulando de uma extremidade

As baratas não são apenas invasores insidiosos do lar. Um novo estudo descobriu que elas também são ótimas escapistas, artistas com o dom de escapar de confinamentos. A barata pode se mover em sacudidelas bruscas para debaixo da prateleira, balançando o corpo como um pêndulo, e agarrar-se embaixo. Ela usa garras que se assemelham a ganchos para se segurar firmemente.

Os movimentos ocorrem em milésimos de segundo, rápidos demais para serem processados pelo olho humano. A olho nu, a impressão é de que a barata desapareceu.

"A descoberta ocorreu por acaso", afirmou Robert J. Full, biólogo integrativo da Universidade da Califórnia, em BeInrkeley, e um dos autores do estudo, publicado no periódico PLoS One. "Na realidade, estávamos estudando a forma como esses animais atravessam brechas."

Leia também:
Cientistas descobrem barata que pula feito gafanhoto
Baratas podem fornecer antibióticos mais potentes
Cientista propõe comer insetos como fonte alternativa de proteína

Brian McRae, estudante de graduação da universidade e também indicado como autor, estava trabalhando no projeto e percebeu que as baratas desapareciam na extremidade de uma prateleira.

A observação mais aproximada das gravações de vídeo revelou que elas corriam em velocidade máxima na direção da extremidade e lançavam-se para baixo, usando as garras para se agarrarem à borda (às vezes usando apenas uma garra).

Talvez seja por isso que "às vezes, elas somem quando as estamos procurando", afirmou Full.

O grupo também examinou as lagartixas e descobriu que elas apresentavam o mesmo comportamento, usando os dedos que parecem ganchos.

Os pesquisadores agora se uniram a Ron Fearing, cientista da computação em Berkeley, para tentar desenvolver um robô com a agilidade de uma barata. A equipe de estudantes de pós-graduação criou um protótipo de trabalho com seis pernas.

"Os robôs ainda não têm agilidade para torná-los tão úteis quanto poderiam", afirmou Full. "Essa é uma demonstração dessa agilidade."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.