Pentágono busca inspiração em lagosta 'com soco mais rápido do mundo'

Patas de crustáceo estão sendo estudadas para a construção de jatos militares mais resistentes

BBC |

BBC

Um crustáceo está sendo estudado pela Universidade da Califórnia para incrementar a resistência de aeronaves da Força Aérea dos Estados Unidos.

A lagosta-boxeadora ( Odontodactylus scyllarus ), também conhecida como tamarutaca no Brasil, chama a atenção pelas cores fortes e por sua semelhança ao louva-a-deus.

Por isso, em inglês é chamada de lagosta pavão-louva-deus.

O bicho é conhecido por ter o soco mais rápido do mundo, que mesmo de baixo d'água chega a 72 km/h.

A equipe usou microscópios eletrônicos, raios-X, espectroscopia e simulações de computadores para entender a estrutura das patas do crustáceo. O coordenador da pesquisa, David Kisailus, declarou ao jornal Los Angeles Times: "Nós ficamos impressionados com este 'cara', que golpeia as suas vítimas dezenas de milhares de vezes em um período de três a quatro meses sem quebrar a mão. Por décadas as pessoas estudaram os caracóis como a referência em resistência a impactos. Mas a tamarutaca come eles no jantar".

O segredo da lagosta-boxeadora é uma pata revestida por três camadas de minerais e fibras que podem absorver repetidos impactos. A pesquisa foi publicada recentemente na versão online da publicação Science.

Leia mais:
Robô 'guepardo' quebra recorde de velocidade
Robô-lagartixa é capaz de escalar parede s

“Quatro milhões da anos atrás, o crustáceo estava armado com uma lança, mas com o passar do tempo, evoluiu para um taco, capaz de quebrar as carapaças de caranguejos e moluscos... Pensamos que se pudéssemos imitar a estrutura de três camadas, dentro do taco, poderia haver uma aplicação militar", explicou Kisailus ao jornal britânico The Times.

O periódico revelou que a pesquisa recebeu US$ 600 mil de um fundo da Força Aérea americana e que os pesquisadores já construíram um protótipo feito de alumínio e carbono que se mostrou à prova de bala e mais leve do que materiais usados hoje em dia na fabricação dos caças.

Uma versão para testes militares deve estar pronta em 2015.

    Leia tudo sobre: pentágonolagostaanimaistecnologiadefesa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG