Novo monitor 3D criado por brasileiro dispensa uso de óculos de grau

Pesquisador da UFRGS criou telas que compensam problemas visuais como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia

Maria Fernanda Ziegler iG São Paulo | - Atualizada às

Divulgação
Na primeira coluna, as fotos vistas por alguém sem nenhum problema de visão, na coluna do meio, como uma pessoa com alto grau de presbiopia as vê e na terceira, com as imagens vistas a partir do novo monitor

Um invento brasileiro promete ajudar o dia a dia de pessoas com problema de visão. O pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Vitor Pamplona criou monitores 3D que compensam problemas como miopia e vista cansada, e que podem ser usados em computadores, tablets, relógios e até no painel do carro. O projeto foi aceito no SIGGRAPH deste ano, considerado o fórum mais prestigiado sobre  sobre computação gráfica. 

Pamplona explica que a tecnologia consiste em duas telas de LCD justapostas que fazem as correções necessárias de acordo com as informações da "receita", feita por um software específico. As telas servem para miopia, hipermetropia, astigmatismo, presbiopia e também problemas mais raros como ceracotone. Cada monitor pode ser usado por até três pessoas.

Leia mais:
Aplicativo de celular é capaz de diagnosticar catarata
Mente vazia, casa da infelicidade
Aplicativos de celular deixam a vida mais verde
Media Lab completa 25 anos

As duas telas de LCD direcionam a luz dos monitores para um só ponto e fazem a correção para que a imagem seja vista sem borrões ou desfocadas, por exemplo. Desta forma, tablets, computadores passam a ser realmente individuais. Se as telas estão programadas para um determinado grau de um problema de visão, outra pessoa, que tem a visão perfeita, não enxergará o que está no monitor. 

“Em um computador normal, cada pixel do monitor está sendo colocado para todos os pontos do espaço. Com as duas telas de LCD, a emissão de luz é direcionada para apenas um ponto”, disse ao iG  Pamplona. 

Divulgação
No lado esquerdo um tablet visto por uma pessoa com problemas de visão e do lado direito, monitor com a compensação das lentes

O experimento pode ser usado como complemento de outros inventos de Pamplona como o Catra e o Netra , aplicativos de celular que diagnosticam catarata e medem o grau de miopia, hipermetropia, presbiopia e astigmatismo. “Se a pessoa tem um sistema de registro, pode fazer a medição com o Netra e enviar para uma rede social ou atualizar diariamente as telas dos monitores. Fechamos um ciclo com os aplicativos e as telas”, disse. O projeto contou também com a colaboração de Manuel Oliveira (UFRGS), Daniel Aliaga (Purdue) e Ramesh Raskar (MIT).

Pode parecer exagerado, mas pacientes com miopia, por exemplo, costumam ter um grau estável por cerca de um ano ou mais. Mas em casos de pacientes com diabetes, a miopia ou hipermetropia podem ter variação de até um grau de um dia para o outro. “Normalmente, diabéticos têm mais de um óculos e testam qual é o melhor para aquele dia, usando os aplicativos e as telas, isso não será mais necessário”, disse.

Pamplona explica que para que as telas sejam comercializadas, vai depender ainda que os fabricantes façam celulares 3D. As telas de LCD precisam ter 1800 dpi de resolução. Atualmente o visor do iPhone 4 tem 326 dpi. “A ideia é começar a trabalhar os protótipos e entrar em contato com os fabricantes”, disse Pamplona, que acredita que em as telas possam estar no mercado em cinco anos. “O software é barato e os displays custam hoje cerca de 150 dólares cada”.

    Leia tudo sobre: visãoinvençãotecnologiamiopiacelularLCD3D

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG