O segredo está nos corpo leve e pequeno dos mosquitos, que acaba pegando carona nas gotas d'água em vez de ser afogado por elas. Pesquisa pode auxiliar na criação de novos robôs

BBC

selo

Pequenos insetos são capazes de sobreviver ao impacto com gotas de chuva, segundo experimento
Georgia Tech
Pequenos insetos são capazes de sobreviver ao impacto com gotas de chuva, segundo experimento

O corpo minúsculo e extremamente leve do mosquito cumpre papel chave para a sobrevivência do inseto quando voa na chuva, segundo cientistas americanos.

A equipe, do Georgia Institute of Technology, na Georgia, Estados Unidos, filmou colisões entre insetos e gotas de chuva.

As filmagens mostraram que seus corpos oferecem tão pouca resistência que, em vez de a gota de água parar repentinamente, o mosquito simplesmente 'pega carona' na gota e os dois continuam a cair juntos.

Os pesquisadores descrevem sua investigação no periódico científico Proceedings of the National Academy of Science (PNAS).

Leia também:
Polícia usa insetos para solucionar crimes
Estudo com insetos mostra que iluminação urbana afeta ecossistema
Projeto vai mapear genoma de cinco mil insetos
Cientistas descobrem espécies de insetos extintos fossilizadas no Peru
Fotógrafo cria mundo psicodélico em ensaio com insetos

Além de ajudar a explicar como insetos sobrevivem em ambientes molhados, o estudo pode, no futuro, ajudar pesquisadores a projetar minúsculos robôs voadores que são tão impermeáveis aos elementos quanto os insetos.

"Espero que isso faça as pessoas pensarem sobre a chuva de forma um pouco diferente", disse o líder da equipe, David Hu.

"Se você é pequeno, ela pode ser muito perigosa. Mas parece que esses mosquitos são tão pequenos que estão seguros".

Tai Chi
Hu quer entender todos os "truques" que insetos minúsculos usam para sobreviver.
Após várias tentativas do que ele descreve como o jogo de dardos mais difícil da história, ele e seus colegas conseguiram atingir mosquitos voadores com gotas de água e filmar o resultado.

Cada gota tinha entre duas e 50 vezes o peso de um mosquito, então o que os cientistas viram os deixou surpresos.

Descrevendo os resultados, Hu citou a arte marcial chinesa Tai Chi.

"Existe a filosofia de que se você não resiste à força do seu oponente, você não vai senti-la", ele explicou.

"É por isso que eles não sentem a força, simplesmente se unem à gota, (os dois) tornam-se um e viajam juntos".

Quando um objeto em movimento se choca contra outro, a interrupção repentina do movimento produz a força destruidora. Por exemplo, quando um carro viajando a 50 km por hora atinge uma parede, a parede e o carro têm de absorver toda a energia carregada pelo carro em movimento, provocando estragos.

O truque, para um mosquito, é que ele provoca pouquíssima ou praticamente nenhuma diminuição na velocidade da gota e absorve quase nada de sua energia.

Para o pequenino mosquito, no entanto, o drama não termina quando ele sobrevive à colisão com a gota.

Ele ainda tem de escapar do casulo de água antes dele se arrebente contra o chão, a mais de 32 km por hora.

Nesse ponto, entra em ação uma outra técnica de sobrevivência do inseto: os pelos que cobrem seu corpo são impermeáveis à água.

Todos os mosquitos estudados pela equipe americana conseguiram se separar da gota de água antes de ela atingir o solo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.