Fenômeno deverá acontecer em 4 bilhões de anos e produzirá imagens espetaculares

selo

Simulação mostra como ficaria o céu noturno da Terra quando as galáxias se juntarem. Andrômeda está à esquerda e a Via Láctea ficaria um pouco distorcida
Nasa
Simulação mostra como ficaria o céu noturno da Terra quando as galáxias se juntarem. Andrômeda está à esquerda e a Via Láctea ficaria um pouco distorcida
Astrônomos estão usando o telescópio espacial Hubble para determinar quando a Via Láctea irá colidir com Andrômeda, sua galáxia vizinha.

As duas galáxias estão se aproximando devido à gravidade que exercem uma sobre a outra. Cientistas acreditam que elas começarão a se fundir dentro de quatro bilhões de anos. E dentro de outros dois bilhões de anos elas deverão ser uma única entidade.

Veja imagens do espaço

Quando isso ocorrer, a posição do nosso sol será abalada, mas tanto o astro como os planetas que orbitam em torno dele enfrentam pouco risco de serem destruídos.

Vídeo mostra movimento da via Láctea acima do Atacama

Por outro lado, o céu noturno visto da Terra deverá ter uma aparência espetacular. Partindo do princípio, é claro, de que a espécie humana ainda estará presente dentro de bilhões de anos para poder olhar para cima.

Leia também:
Norueguês capta movimento da Via Láctea
Astrônomos descobrem 'bolhas' gigantes na Via Láctea
Via Láctea tem bilhões de planetas supostamente habitáveis
A vida das estrelas, revelada por uma combinação de imagens

''Hoje em dia, a galáxia de Andrômeda se apresenta para nós no céu como um pequeno objeto difuso que foi visto pela primeira vez por astrônomos há mil anos'', afirma Roeland van der Marel, o pesquisador sênior do Space Telescope Science Institute, de Baltimore, nos Estados Unidos.

Fusão de galáxias
As duas galáxias estão separadas por uma distância de 2,5 milhões de anos, mas estão convergindo a uma velocidade de aproximadamente 400 mil quilômetros por hora. "Poucas coisas fascinam os seres humanos mais do que o nosso destino cósmico e qual será o nosso futuro. O fato de que podemos prever que esse pequeno objeto difuso um dia irá engolir e encobrir o nosso sol e o nosso sistema solar é uma descoberta verdadeiramente notável e fascinante'', diz van der Marel.

Isso é possível porque o observatório mediu em detalhes mais precisos do que nunca os movimentos de determinadas regiões de Andrômeda, que também é conhecia por seu nome científico M31. ''É necessário saber não apenas como Andrômeda está se movendo em nossa direção, mas também seus motivos laterais, porque isso vai determinar se Andrômeda irá passar a uma boa distância de nós ou se ela virá direto em nosso encontro'', explica van der Marel.

Veja o vídeo:


Caso não consiga ver o vídeo, clique para assistir na TV iG: Astronômos preveem colisão de Via Láctea com galáxia vizinha

''Astrônomos tentam há séculos medir o movimento lateral. Mas isso sempre falhou porque as técnicas disponíveis não eram suficientes para realizar a medição. Pela primeira vez, fomos capazes de medir o movimento lateral - conhecido na astronomia como movimento apropriado - da Galáxia de Andrômeda, usando as capacidades de observação únicas oferecidas pelo telescópio espacial Hubble.''

Simulações de computador baseadas nas informações do Hubble indicam que as duas grandes massas de estrelas irão eventualmente se moldar em uma única galáxia elíptica similar a outras vistas costumeiramente no universo.

Mudança de localização
Mas apesar da provável fusão das duas galáxias, estrelas individualmente não irão colidir porque o espaço entre elas permanecerá sendo grande. O abalo gravitacional deverá, no entanto, mudar a localização do sistema solar, acreditam os pesquisadores. É provável que a fusão provoque uma vigorosa fase de formação de novas estrelas e que nuvens de gás serão abaladas e passem a colidir umas com as outras. Pelo que os cientistas observaram até aqui, é bem possível que a pequena companheira de Andrômeda, a galáxia de Triangulum, ou M33, também entre na "briga".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.