Enguia com espinha terrestre contraria teoria da evolução

Descoberta contradiz método usado por paleontólogos para determinar se um animal é aquático ou terrestre

Alessandro Greco, especial para o iG |

Lauren Sallan/University of Chicago
Reconstrução mostra como seria a espinha do fóssil de enguia, segmentada como a de animais terrestres
A descoberta do fóssil de uma enguia de 350 milhões de anos colocou em xeque a teoria utilizada pelos paleontólogos há décadas para determinar se um animal é aquático ou terrestre. Publicada no periódico científico Proceedings of the Royal Society B, a pesquisa mostrou que um animal aquático pode, sim, ter uma espinha segmentada, semelhante a dos humanos .

A enguia da espécie Tarrasius problematicus viveu nas águas rasas do que hoje é a Escócia e, como muitos peixes, imaginava-se que tivesse uma coluna vertebral dividida em apenas duas partes (corpo e cauda). A análise do fóssil, no entanto, mostrou o contrário: ela tinha uma coluna dividida em cinco partes, semelhante a dos animais que vivem em terra, os tetrápodes.

Leia mais:
Cor de fóssil de besouro mostra como foi sua vida há milhões de anos

Imagens em 3D mostram porque as cobras perderam os membros
Cientistas encontram enguia considerada 'fóssil vivo'
Fóssil de verme revela origens do homem

“Fiquei muito surpresa. Todos os vertebrados não-tetrápodes não deveriam ser capazes de gerar morfologias de um tetrápode devido a razões relacionadas à forma de vida (na água em vez de na terra) e à genética. Além disso, imaginava-se que o Tarrasius não tivesse vértebras feitas de ossos”, explicou ao iG Lauren Sallan, autora do artigo, da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.

A descoberta sugere que a anatomia de espinha segmentada pode ter surgido antes dos primeiros animais terrestres caminharam sobre a Terra. Não é claro ainda, porém, como o Tarrasius fazia uso da sua coluna segmentada na vida diária. Segundo Sallan, uma possibilidade é que a estrutura pudesse ser utilizada para dar mais empuxo ao corpo da enguia à frente ao nadar.

Uma das possibilidades de continuação da pesquisa será fazer esta análise. “Uma vertente é descobrir quão difundida estão as colunas do tipo tetrápode entre fósseis de peixes e também nos que vivem atualmente. Outra é testar como a coluna do Tarrasius funcionava biomecanicamente”, afirmou Lauren.

    Leia tudo sobre: fóssilanatomiaespinha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG