Cientistas descobrem proteína óssea que ativa queima de gordura

Estudo feito em ratos mostrou que aumento nos níveis da proteína resultaram em emagrecimento

EFE |

Cientistas descobriram que uma proteína óssea, presente também no cérebro, é capaz de iniciar a queima de gorduras do corpo, um avanço que ajudará a criar remédios contra a obesidade.

O corpo humano tem dois tipos de gordura: a branca, causadora do sobrepeso e da obesidade, e a marrom, que atua como uma caldeira de calefação humana e inicia a queima de calorias e produz calor corporal.

Até bem pouco tempo, se pensava que apenas os bebês e alguns mamíferos dispunham de tecido adiposo marrom, mas recentes pesquisas demonstraram que este tipo de gorduras também está presente nos humanos adultos.

Leia mais:
Bloqueio de substância cerebral parecida com a maconha faz emagrecer, diz estudo
Brasileiro descobre substância que retarda envelhecimento
Motivo do fracasso no regime está nos neurônios
Experiência com ratos comprova que comer à noite engorda

Estas gorduras são, portanto, uma importante ferramenta terapêutica no tratamento e na luta contra a obesidade dos cientistas do Centro de Pesquisa Biomédica em Rede de Fisiopatologia da Obesidade e da Nutrição (CIBERobn), autores do estudo.

A pesquisa, dirigida pelo doutor Francesc Villarroya (Universidade de Barcelona) e pelo doutor Miguel López (Universidade de Santiago de Compostela), contou com a participação de cientistas de Iowa (Estados Unidos), Estocolmo (Suécia), e Cambridge (Reino Unido), e será publicada no número de maio da revista "Cell".

Para realizar o estudo, os pesquisadores injetaram em ratos de laboratório "suplementos" da proteína morfogenética óssea 8B (BMP8B), uma substância ligada aos fatores de crescimento e responsáveis pela formação de ossos, cartilagens e tecidos conjuntivos.

Ao aumentar os níveis desta proteína no hipotálamo cerebral das cobaias, os cientistas viram que isto era suficiente para aumentar "de maneira muito potente" a temperatura corporal dos animais e, portanto, a queima de gorduras.

Pelo contrário, os ratos carentes de BMP8B "eram marcadamente obesos, apesar de ter uma ingestão de alimentos reduzida", fato causado por "uma menor capacidade de queimar gordura no tecido adiposo marrom", explicou López.

    Leia tudo sobre: regimedietaemagrecimento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG