Polícia usa insetos para solucionar crimes

Entomologista conta como insetos ajudam a desvendar crimes na Grã-Bretanha

BBC Brasil |

selo

Museu de História Natural de Londres
Martin Hall usa insetos para ajudar a descobrir assassinos
Fãs de séries policiais americanas, como CSI, já conhecem um pouco sobre a entomologia forense, o campo da ciência que usa insetos para ajudar a solucionar crimes.

Para o britânico Martin Hall foi preciso um certo período de adaptação entre o seu emprego no Museu de História Nacional de Londres, onde pesquisava doenças e sua ligação com insetos, às horríveis cenas e cheiros com as quais teve de lidar quando foi trabalhar para a polícia pela primeira vez, em 1992.

Os restos mortais de uma jovem mulher foram encontrados em uma floresta, em Dorset, no sul da Inglaterra, e Hall foi chamado para ajudar nas investigações.

"Eu me vi, de repente, em um ambiente que não poderia ter imaginado nos meus sonhos mais loucos", disse Hall à BBC.

Insetos e larvas

"Estudamos o inseto mais velho no corpo, o que nos dá uma boa indicação de quanto tempo a pessoa passou ali. Se o corpo está do lado de fora, no verão, sabemos que seria encontrado por insetos em 24 horas, então a idade dos insetos no corpo é importante", explica o entomologista.

Leia mais:
Scotland Yard desvenda crime após 132 anos
Teste de DNA gera reviravolta em caso centenário de assassinato

"Também analisamos outros aspectos. Os insetos são consistentes com o local? O corpo poderia ter sido transportado para lá?"

As informações ajudaram a polícia a dar um foco para a investigação, limitando o período no qual a vítima teria sido colocada ali. A partir dali, ele passou a ser cada vez mais requisitado pela polícia e, hoje, este tipo de trabalho ocupa praticamente metade de sua semana, analisando amostras ou desenvolvendo pesquisa.

Veja outras notícias sobre insetos:
Inseto jesus utiliza antena para agarrar fêmeas e copular
Descoberta impressão de inseto na lama de 300 milhões de anos

"Há geralmente uma ligação entre os insetos que se alimentam do corpo e a causa da morte, um tiro, por exemplo. Também é possível encontrar DNA humano, resíduos de pólvora e restos de drogas a partir de moscas que se alimentaram de um corpo humano."

BBC
Hall analisa a idade e o tipo de insetos e larvas encontrados na cena do crime
Assassinatos
Em média, Hall lida pessoalmente com algo entre 10 e 20 casos por ano. Os mais recentes incluem o assassinato de Alisa Dmitrijeva, de 17 anos, encontrada morta em terras de propriedade da rainha, em Sandringham, no dia 1º de janeiro.

Ele também participou das investigações da morte de cinco prostitutas, em Suffolk, em 2006, e diz que a adaptação à função policial foi difícil.

"A primeira vez que você vê um corpo é um pouco perturbador, mas estou relativamente confortável com isso agora."

O entomologista de 57 anos - que começou a colecionar besouros e moscas-varejeiras durante a infância, em Zanzibar, na África - pode passar de algumas horas a dias inteiros em um local de crime.

"Você só tem uma chance de coletar provas e é fundamental que não se perca nada", disse Hall. "Você tem que pensar como uma larva. Onde eu iria se fosse uma larva? O que eu faria?"

Apesar de hoje ser chefe de pesquisa do departamento de entomologia do Museu de História Natural de Londres, Hall diz que trabalhar com crimes é "extremamente gratificante".

"Muitas pessoas passam a vida inteira trabalhando duro com pesquisa e não veem nada produtivo saindo disso. Para mim, é ótimo ter um resultado após alguns meses, no fim de cada caso criminal."

    Leia tudo sobre: cienciainsetoscrimeentomologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG