Chance de limitar aumento de temperatura está acabando, diz AIE

Cientistas afirmam que aumento superior a 2 graus Celsius poderá resultar em clima instável, onde extremos climáticos são comuns

Reuters |

A chance de limitar o aumento das temperaturas globais em 2 graus Celsius neste século está ficando cada vez menor, advertiu o economista-chefe da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, na quarta-feira (16).

"O que vejo agora com os investimentos existentes para as usinas em construção... estamos vendo a porta para a meta de 2 graus Celsius prestes a ser fechada e fechada para sempre", disse Birol durante a Cúpula Global de Energia & Ambiente, da Reuters.

"A porta está ficando cada vez menor em termos físicos e de possibilidade econômica", alertou.

A AIE disse em novembro passado que cerca de 80 por cento do total das emissões de carbono relacionadas a energia admissíveis até 2035 para limitar o aquecimento já está comprometido pelas usinas de energia, prédios e fábricas existentes, deixando pouco espaço para mais.

Leia mais:
Emissões de dióxido de carbono terão alta de 20% até 2035
Emissão de gases causadores do efeito estufa bate recorde em 2010

Em 2010, os países concordaram que eram necessários cortes profundos nas emissões para manter o aumento da temperatura global média abaixo de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais este século.

Os cientistas afirmam que a ultrapassagem desse limite poderá resultar em um clima instável, onde os extremos climáticos são comuns, mas os esforços até agora para cortar as emissões de gases de efeito estufa não são considerados suficientes para deter um aumento para além de 2 graus.

Um relatório este mês feito pela entidade Clube de Roma afirmou que o crescimento nas emissões de dióxido de carbono causará um aumento de 2 graus até 2052 e de 2,8 graus até 2080, embora outras estimativas sejam mais conservadoras.

Alguns países estão centrando o foco nas pressões econômicas internas, o que poderá atrasar as medidas relacionadas ao clima e aumentar o custo do combate à mudança climática no longo prazo.

"Um dólar não investido agora na redução de CO2 custará 4,6 dólares na próxima década para conseguir o mesmo efeito", disse Birol.

    Leia tudo sobre: temperaturaaquecimento globalaie

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG