Arte rupestre de caverna francesa é a mais antiga encontrada

Estudo confirma que desenhos em Chauvet, no sul da França, foram feitos no mínimo há 28 mil anos atrás

AFP |

Wikimedia Commons
Desenhos da caverna de Chauvet: muito sofisticados para seu tempo
Especialistas discutem há tempos se os sofisticados desenhos de animais de uma famosa caverna francesa são, de fato, os mais antigos do tipo no mundo e um estudo publicado na segunda-feira (7) sugeriu que sim.

As curvas suaves e os detalhes finos das pinturas de ursos, rinocerontes e cavalos da caverna Chauvet, na pitoresca região de Ardeche, no sul da França, são tão avançadas que alguns acadêmicos as datavam entre 12.000 e 17.000 anos atrás.

Isto as situaria como relíquias da cultura Magdaleniana, na qual os ancestrais humanos usaram ferramentas de pedra e ossos para criar uma arte impressionantemente avançada.

Anteriormente, os cientistas demonstraram, através de datação por radiocarbono de amostras de arte na pedra, carvão vegetal e ossos de animais encontrados na caverna Chauvet que os desenhos eram mais antigos, provavelmente com antiguidade compreendida entre 30.000 e 32.000 anos.

Agora, segundo estudo publicado no periódico americano Proceedings of the National Academy of Sciences, cientistas franceses acreditam ter conseguido a confirmação de que as pinturas são "as mais antigas e mais elaboradas já encontradas".

Leia também:
Escavações revelam primeiro colchão pré-histórico

Pinturas pré-históricas em caverna são de crianças de 3 a 7 anos
Há 100 mil anos, o homem já fazia arte
Pinturas rupestres eram realistas, revela estudo de DNA
Desenho rupestre mais antigo das Américas é descoberto no Brasil

As descobertas se basearam em uma análise, denominada datação geomorfológica e cloro 36, das superfícies das rochas em torno do que se acredita ser a única entrada da caverna.

A pesquisa demonstra que um despenhadeiro começou a ruir 29 mil anos atrás e voltou a sofrer desmoronamentos ao longo do tempo, selando definitivamente a entrada da caverna para os humanos cerca de 21 mil anos atrás.

Isto significa que as pinturas tiveram que ser feitas antes disso, o que sustenta a ideia de que foram criadas por pessoas da cultura Aurignaciana, que viveram entre 28.000 e 40.000 anos atrás.

"Concordando de forma notável com as datações de radiocarbono da ocupação humana e animal, este estudo confirma que as pinturas na caverna Chauvet são as mais antigas e mais elaboradas já descobertas, desafiando nosso conhecimento atual sobre a evolução cognitiva humana", destacou o estudo.

Segundo o principal autor, Benjamin Sadier, as descobertas põem fim a qualquer debate sobre quando os desenhos podem ter sido feitos com base em seu estilo.

"O que nosso trabalho demonstra e outro trabalho que será publicado em breve é que o método de datação por estilo não é mais válido", explicou em entrevista por telefone.

"Ao provar que esta caverna ficou fechada para sempre 21.500 anos atrás, nós erradicamos completamente a hipótese de uma pintura mais recente na caverna e também confirmamos a idade da caverna, que já era conhecida através da datação de radiocarbono", acrescentou.

A caverna e suas pinturas notavelmente bem preservadas foi fechada ao acesso humano devido à queda de rochas e só recentemente redescoberta em 1994.

Os cientistas que participaram do trabalho são procedentes das Universidades de Savoia e Aix Marseille, bem como do Centro Nacional de Pré-História.

    Leia tudo sobre: arqueologiaarte rupestre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG