Dinossauros sofriam com fortes picadas de 'pulgas gigantes', diz estudo

Insetos tinham uma morfologia similar à das pulgas dos dias de hoje, mas eram cerca de dez vezes maiores

BBC |

selo

Insetos gigantes, que viveram 165 milhões de anos atrás, tinham uma picada dolorosa e se alimentavam do sangue de grandes dinossauros, segundo cientistas. Os animais tinham uma morfologia similar à das pulgas dos dias de hoje, mas eram cerca de dez vezes maiores.

Leia também: Cientistas acham pulga gigante que pode ter picado dinossauros

Ilustração de Wang Wang / Universidade do Estado de Oregon
A'pulga'que se alimentava do sangue de dinossauros seria dez vezes maior

"Estes eram insetos muitos maiores do que as pulgas modernas e pelo tamanho de sua probóscide, o apêndice tubular alongado com o qual extraem o sangue, podemos dizer que sua picada seria bastante dolorosa", disse George Poinar Jr., professor de zoologia da Universidade do Estado de Oregon, nos Estados Unidos, e especialista em animais extintos, que escreveu sobre o assunto na revista científica Current Biology.

"Teria provocado uma sensação similar à causada por uma agulha hipodérmica. Por sorte, as pulgas atuais são bem menores."

Sangue

Poinar diz que é possível que os insetos jurássicos cujos fósseis foram encontrados na Mongólia, por cientistas chineses, sejam ancestrais evolucionários das pulgas modernas, mas provavelmente pertencem a uma linhagem separada e, agora, extinta.

Leia também:

Vídeo: Cientistas desvendam segredo do salto da pulga

Pulga d’água é o animal com maior código genético já sequenciado

Microscópio permite ver coração de pulga de água batendo

Os fósseis das espécies Pseudopulex jurassicus e Pseudopulex magnus tinham corpos achatados, parecidos com os de percevejos ou carrapatos, e garras longas capazes se segurar às escamas dos dinossauros enquanto os insetos sugavam o sangue.

Pulgas modernas têm corpos mais compactos e antenas mais curtas e são capazes de se mover rapidamente por penas ou pelo.

'Janela para o passado'

"Estes são fósseis muito bem preservados que nos abrem uma janela para a vida em um passado muito distante, nos períodos Cretáceo e Jurássico", diz Poinar, que também estudou pulgas "mais jovens", de 40-50 milhões de anos, preservadas em âmbar.

Todas as pulgas verdadeiras são adaptadas para se alimentar de vertebrados de sangue quente, segundo Poinar, e hoje 94% das mais de duas mil espécies conhecidas atacam mamíferos, enquanto o restante se alimenta do sangue de pássaros.

Mas as características e habilidades incomuns identificadas nessas "pulgas pré-históricas" levaram os cientistas a acreditar que elas se alimentavam do sangue de grandes dinossauros, cuja pele mais fina, entre as escamas, elas conseguiriam perfurar com facilidade.

O estudo recorda que as pulgas causaram doenças devastadoras na história da humanidade. Elas foram responsáveis pela transmissão da peste bubônica, por exemplo, que causou dezenas de milhões de mortes na Europa do século 14.

    Leia tudo sobre: dinossaurospulgas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG