Animal nadou 354 quilômetros. Habilidade garante sobrevivência no ambiente ártico, onde gelo do mar está desaparecendo

Os ursos polares são capazes de nadar grandes distâncias, uma habilidade potencial de sobrevivência necessária em um ambiente ártico onde os bancos de gelo do mar no verão estão desaparecendo, mostrou um estudo conduzido pelo Serviço Geológico dos EUA na terça-feira.

O estudo, publicado no Canadian Journal of Zoology, acompanhou 52 ursos polares fêmeas no Mar Beaufort, no sul do Alasca. Entre 2004 e 2009, um período de extrema redução do gelo no verão, cerca de um terço dos ursos fez nados que superaram 48 quilômetros de distância, de acordo com os resultados do estudo.

Os 50 nados ultramaratonistas registrados foram de, em média, 155 quilômetros, e uma ursa foi capaz de nadar quase 354 quilômetros, de acordo com o estudo. A duração dos nados de longa distância foi desde quase um dia até cerca de 10 dias.

Veja galeria de imagens de ursos polares:

Os movimentos dos ursos foram rastreados por meio de colares com GPS (sistema de posicionamento global). Todos os animais no estudo eram do sexo feminino porque os pescoços dos ursos polares machos são muito grossos para os colares, explicou Karen Oakley, bióloga do Alasca USGS Science Center.

Muitos dos ursos polares no estudo tinham filhotes com eles, e parece que pelo menos alguns dos filhotes -- que não estavam com os colares -- foram capazes de acompanhar suas mães na água, disseram funcionários do USGS.

Os cientistas conseguiram monitorar 10 dos ursos estudados ao longo de um ano e descobriram que seis ainda tinham seus filhotes, afirmou o cientista-chefe em um comunicado divulgado pelo USGS.

"Estas observações sugerem que alguns filhotes também foram capazes de nadar longas distâncias. Para as outras quatro fêmeas com filhotes, não sabemos se elas perderam seus filhotes antes, durante, ou em algum momento após seus nados longos", disse Anthony Pagano, um cientista do USGS e autor principal do estudo, em um comunicado.

Leia também:
Ursos polares são mais antigos do que se pensava
Cientistas querem aumentar população de ursos polares em zoos
Filhotes de urso polar aparecem para o público pela primeira vez em Moscou
Zoológico holandês apresenta filhotes de ursos polares
Zoo alemão divulga foto de irmão de urso polar Knut
Webcam ao vivo vai revelar cada passo de filhote de urso polar
Ursos polares têm ascendência "irlandesa"
Afogamento e encefalite viral vitimaram Knut
Urso polar mata jovem britânico e fere quatro na Noruega

Embora a capacidade demonstrada de nadar longas distâncias provavelmente seja uma boa coisa para os ursos polares, os cientistas estavam preocupados com os animais consumindo energia demais em seus esforços para viajar em mar aberto, afirmou o comunicado da USGS.

Oakley disse que a amostra do estudo era pequena demais para tirar conclusões sobre o destino de toda a população de ursos polares, que em 2008 foi considerada ameaçada de extinção e recebeu proteção da Lei de Espécies Ameaçadas por causa do aquecimento rápido em seu habitat ártico.

O estudo simplesmente descreve o comportamento que foi observado, explicou Oakley. "É muito interessante que, de fato, eles possam nadar longas distâncias, e os filhotes possam nadar longas distâncias", disse ela. "Será que todos os filhotes que tentam nadar essas longas distâncias sobrevivem? Nós não sabemos."

Os cientistas não sabem se a natação de longa distância é um novo comportamento, afirmaram funcionários do USGS.

A tecnologia para rastrear os nados de longa distância com precisão não estava disponível no passado, explicou Oakley à Reuters. "A tecnologia GPS, que é relativamente nova, é o que nos permitiu realmente fazer a análise real em profundidade disso", disse ela.

Mas os ursos polares, provavelmente, não tinham a oportunidade ou a necessidade de fazer esses nados longos naquela parte do Ártico no passado. Segundo a pesquisadora, nas décadas passadas, os ursos polares sempre conseguiram descansar sobre o gelo flutuante disponível no verão.

"Essas longas distâncias de águas abertas não costumavam existir no Mar Beaufort", disse ela. "Será que eles nadavam estas distâncias muito longas? Bem, eles não precisavam porque eles não estavam lá."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.