Mudança climática pode levar mosquito da dengue ao norte da Europa

Novas condições de temperatura na região favorecem o ciclo de vida do inseto e levar doença à região bem como aos Balcãs

AFP |

Getty Images
Na foto, o Aedes albopictus, conhecido como mosquito-tigre asiático
O clima no noroeste da Europa e nos Bálcãs está se tornando propício para abrigar o mosquito-tigre asiático, uma espécie disseminadora de doenças, como a febre do Nilo e a dengue, entre outras, alertaram cientistas nesta quarta-feira.

O alerta foi emitido por cientistas da Universidade de Liverpool, noroeste da Inglaterra, para os quais as duas regiões têm registrado, progressivamente, invernos mais amenos e verões mais quentes.

Leia mais:
Substâncias que confundem mosquito podem criar novos repelentes
Satélites europeus mapeiam mosquitos transmissores de doenças
Bahia testa mosquito transgênico antidengue
Mudança genética contra malária pode se espalhar entre mosquitos
Pesquisadores descobrem 'super repelente' de insetos por acaso

Estas condições de temperatura favorecem o mosquito, que chegou à Albânia em 1979 e agora está presente em mais de 15 países do sul da Europa.

"Ao longo das últimas duas décadas, as condições climáticas se tornaram mais propícias na parte central do noroeste da Europa - Benelux e oeste da Alemanha - e nos Bálcãs", afirmaram os estudiosos.

Segundo eles, ao mesmo tempo, condições mais secas no sul da Espanha tornaram a região menos aprazível para o inseto.

O mosquito-tigre asiático ( Aedes albopictus ), nativo de regiões tropicais e subtropicais, pode transmitir vírus que causam febre do Nilo, febre amarela, dengue, encefalopatite de Saint Louis e a encefalopatia japonesa, entre outras doenças.

Em 2005 e 2006, provocou uma epidemia de febre do Chikungunya, uma doença que ataca as articulações, na Ilha Reunião, território francês no Oceano Índico.

Um ano depois, provocou um surto da doença na província italiana de Ravena. Em 2010, foi apontado como o transmissor do vírus da dengue na França e na Croácia.

Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês), em dezembro do ano passado, o mosquito estava presente em mais de 15 países da região, do sul da Espanha a algumas regiões de Grécia e Turquia.

Em artigo publicado no jornal da Royal Society Interface, os cientistas de Liverpool reportaram ter observado os registros climáticos europeus entre 1950-2009 e empregado um modelo de computador amplamente utilizado para simular tendências climáticas para 2030-2050.

"Tendências similares são prováveis no futuro, com um risco aumentado simulado no norte da Europa e levemente reduzido no sul da Europa", destacou o estudo.

"Estas mudanças de distribuição se relacionam com condições climáticas mais úmidas e quentes", acrescentou.

O artigo alerta que o clima sozinho não significa que a espécie vá se disseminar ali. Também aponta que o estudo não considerou a vegetação ou tipos de solo que determinam se o mosquito será capaz de procriar. Além disso, ondas de frio e calor também podem ajudar a limitar a sobrevivência do mosquito, e estes fatores tampouco foram incluídos na pesquisa.

Em meados dos anos 1960, o mosquito-tigre asiático estava limitado a algumas partes de Ásia, Índia e um punhado de ilhas do Pacífico.

Desde então, se disseminou pelas Américas do Norte e do Sul, Caribe, África e Oriente Médio, bem como pela Europa, sobretudo viajando de carona em produtos importados.

    Leia tudo sobre: dengueeuropamudanças climáticasmosquito

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG