Pernambuco teve 12 escolas destruídas e 62 danificadas por chuva

Pelo menos 45 mil alunos foram afetadas nas áreas mais atingidas por enchentes

AE |

Levantamento parcial da Secretaria de Educação de Pernambuco aponta que 12 escolas estaduais e municipais foram destruídas e outras 62 ficaram danificadas, afetando pelo menos 45 mil alunos na área mais castigada pelas chuvas e enchentes no Estado. Somente em Água Preta, na zona da mata, 14 escolas municipais foram atingidas pelas águas: quatro foram totalmente destruídas, quatro parcialmente destruídas e seis danificadas. Pelo menos 3,5 mil alunos estão sem sala de aula.

"Nós vamos dar um jeito, não vamos deixar estas crianças sem estudo e sem merenda", afirmou a secretária municipal de Educação, Albertina Melo, ao frisar que, no atual quadro de tragédia que vive o município, a escola funciona como um porto seguro, capaz de dar estabilidade e também apoio e alimentação para as crianças.

AE
Estragos causados pela enchente na Escola Municipal Aristides Bezerra Leite, em Águas Preta, Pernambuco
Ela aponta três possibilidades emergenciais que poderão ser adotadas depois de discussão com a prefeitura: adoção de um horário intermediário (reduzido para três horas) nas escolas não atingidas, que poderiam ceder suas salas para parte dos que ficaram sem sala de aula; fazer, temporariamente, do clube municipal uma grande escola; e construir escolas modulares, pré-fabricadas.

Segundo a secretária executiva de educação do Estado, Margareth Zaponi, o número (parcial) de alunos prejudicados deverá crescer muito, quando for regularizada a comunicação com os 39 municípios mais afetados - 12 em situação de calamidade pública (caso de Água Preta) e 27 em estado de emergência. Das 195 escolas estaduais da região alvo das enchentes, 50 foram atingidas - sete destruídas e 43 danificadas - prejudicando 38 mil alunos.

Ela acredita que, se as condições climáticas não provocarem mais tragédias, que o ano letivo não será estendido para 2011. Sua preocupação maior é com as cidades que tiveram escolas completamente destruídas. "Teremos que esperar a demarcação da nova parte da cidade a ser construída para identificar onde ficará a escola, para só então as obras serem iniciadas", afirmou. Sem chuva, disse Zaponi, é possível construir galpões pré-fabricados para atender aos alunos enquanto as novas escolas ficam prontas. "Temos que agir rápido."

    Leia tudo sobre: NACIONAL-GERAL

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG