Pernambuco tem três casos suspeitos de leptospirose

Em Alagoas, governo decretou estado de emergência de saúde pública por causa do risco de proliferação de doenças

iG São Paulo |

O Pernambuco registrou três casos suspeitos de leptospirose provocados após o contato com as águas das enchentes que atingiram o Estado nas últimas semanas. Em Palmares, o doente está internado em um hospital particular da região. Os dois outros casos estão sendo investigados pela Secretaria Estadual de Saúde nos municípios de Vitória de Santo Antão e em Chã de Alegria.

Em Água Preta, um dos 12 municípios da Zona da Mata pernambucana em estado de calamidade pública, o prefeito Eduardo Coutinho (PSB) aguarda para amanhã a chegada de um consultor da Secretaria Estadual de Cidades que ficará responsável por começar a traçar um plano geral de realocação de parte da cidade devastada pelas enchentes.

"O governo estadual e todos nós temos pressa", afirmou, ao lembrar que cerca de 3 mil pessoas estão desabrigadas e não podem retornar às áreas de risco onde moravam. De forma emergencial, segundo Coutinho, deverão ser construídas 800 casas no terreno de 219 hectares já desapropriado pelo governo estadual.

Em Barreiros, a população recebe assistência médica em um hospital de campanha montado pela Aeronáutica. Palmares improvisou escolas como abrigos e continua na expectativa da instalação de tendas do Exército que deverão servir de moradia provisória para famílias que perderam suas casas. Com mais de mil desabrigados, Catende, na Zona da Mata Sul, ainda não conta com abastecimento de água e energia em parte do seu território.

Contaminação pela água

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse nesta quarta-feira (30) que a principal preocupação do ministério com os municípios atingidos por enchentes em Alagoas e Pernambuco é em relação às doenças causadas por contaminação pela água.

"Nossa grande preocupação agora é atender às pessoas que estão em situação mais crítica. As doenças de veiculação hídrica como as diarreias, a leptospirose e a hepatite são as mais perigosas. Precisamos garantir medicamentos, vacina e internação para quem necessita", disse o ministro logo após participar da 4ª Conferência Nacional de Saúde Mental.

O ministro também falou sobre a necessidade de reconstruir unidades de saúde destruídas pela força das enchentes nos municípios. "Muitos hospitais, centros de saúde se perderam estamos trabalhando agora para avaliar o quanto será necessário para recuperar estes equipamentos", disse.

Alagoas

O Estado de Alagoas decretou na última terça-feira (29) estado de emergência de saúde pública por causa do risco de proliferação de doenças. De acordo com o primeiro boletim epidemiológico das áreas atingidas pelas enchentes, realizado pela Secretaria de Estado da Saúde, seis casos de leptospirose já foram registrados no Estado.

Segundo o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância à Saúde (CIEVS-AL), foram detectados na terça quatro casos de leptospirose em Capela; um caso de acidente por animal peçonhento, 34 casos de diarreia e 42 casos de síndrome respiratória em Quebrangulo; oito casos de acidente por animal peçonhento em São José da Laje; 15 casos de diarreia em Murici; e dois casos de leptospirose em Santana do Mundau.

A Defesa Civil de Alagoas confirmou também mais três mortes no Estado, chegando a 37 vítimas fatais. Três corpos, ainda não identificados, foram localizados no município de União dos Palmares, um dos mais atingidos pelas cheias. Outras 20 mortes foram confirmadas em Pernambuco. Com isso chega a 57 o número de mortos no Nordeste do País.

Está em 37 o número de desaparecidos em Alagoas, segundo o último boletim do órgão, que divulga o número (82) 3315-2822 para quem desejar saber informações sobre familiares desaparecidos.

* Com informações das Agências Estado e Brasil

    Leia tudo sobre: chuvasalagoasPernambucosaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG