Nordeste já registra 52 mortos por causa das chuvas

Em Alagoas, número de mortos sobe para 35. Pernambuco contabiliza 17 vítimas fatais

iG São Paulo |

Subiu para 35 o número de mortos em Alagoas devido às fortes chuvas que atingiram o Estado há cerca de uma semana. Na tarde desta sexta-feira, mais um corpo foi encontrado por equipes alagoanas do Corpo de Bombeiros. Somadas às 17 vítimas de Pernambuco, o Nordeste registra um total de 52 mortos. Segundo a Defesa Civil, cerca de 50 pessoas ainda estariam desaparecidas.

Um levantamento feito pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas reduziu ainda mais o número de pessoas desaparecidas por conta das cheias. Há 50 desaparecidos no Estado, número que estava em 607 até a última quarta-feira.

O levantamento realizado pelos municípios pernambucanos aponta que pelo menos 11.407 casas foram danificadas pelas chuvas, além de 2.103 kms de estrada e 79 pontes. O Estado contabiliza 26.797 desabrigados - que perderam tudo e precisam contar com a ajuda do governo - e outros 53.518 desalojados - morando temporariamente na casa de parentes e amigos.

Já chegam a nove as cidades em estado de calamidade pública. São elas: Água Preta, Barra de Guabiraba, Barreiros, Correntes, Cortês, Jaqueira, Palmares, São Benedito do Sul e Vitória de Santo Antão.

Branquinha, na zona da mata alagoana, foi uma das cidades mais devastadas pela força das águas. As imagens de prédios no chão ou prestes a desmoronar lembram o cenário deixado por bombardeios ou furacões. A estrada de ferro também ajuda a demonstrar a fúria do rio Mundaú quando transborda: as águas arrancaram os trilhos do chão e retorceram o metal como se fosse plástico. ( Veja aqui imagens de antes e depois das chuvas na cidade )

Segundo o professor de mestrado em Recursos Hidrídicos da Universidade Federal de Alagoas (UFA) Valmir Albuquerque Pedrosa, as enchentes no rio Mundaú são recorrentes . No entanto, sempre com intensidades menores. " A população já está acostumada a ver água dentro de casa, só não que ela leve a casa”, afirma. Pedrosa afirma que, se nada for feito, a inundação deve se repetir em breve. Além de obras para contenção, ele diz que [e preciso mudança no uso e ocupação do solo e que o governo não permita mais a construção de casas em áreas ribeiras. “Têm famílias que moram praticamente dentro da água, com metade da casa pendurada no rio. Agora, as casas devem ser reerguidas, mas em outros locais”.

Obras emergenciais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou a liberação imediata de R$ 550 milhões para Alagoas e Pernambuco. Cada Estado vai receber R$ 275 milhões para obras de emergência. Segundo o governo, toda a burocracia foi "quebrada" para que a verba seja liberada imediatamente. A ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, informou que Tribunal de Contas da União (TCU) e a Corregedoria Geral da União vão fiscalizar o destino da verba liberada.

* Com informações da Agência Estado e da BBC Brasil

    Leia tudo sobre: chuvaspernambucoalagoasmortosenchentes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG