Governo envia mais 200 mil doses de vacinas para Alagoas

Insumos servem para prevenir e tratar doenças comuns em situações de inundações, como hepatite A, rotavírus e tétano

AE |

O Ministério da Saúde envia, nesta segunda-feira, mais 200 mil doses de vacinas e mil unidades de soros antitetânicos para o Estado de Alagoas. Os insumos servem para prevenir e tratar doenças comuns em situações de inundações, como hepatite A, rotavírus e tétano. Segundo nota publicada hoje pela pasta, as necessidades locais foram identificadas pela Secretaria Estadual de Saúde, juntamente com técnicos do ministério.

Na semana passada, o Ministério da Saúde já havia enviado a Alagoas um total de cinco toneladas de medicamentos e dez ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), além de vacinas e soros para atender as pessoas atingidas pelas enchentes. Também foram distribuídas 20 mil cartilhas com orientações à população e material informativo para ser veiculado nas principais rádios do Estado. Para Pernambuco, outro Estado afetado pelas enchentes, foram enviadas 11 toneladas de medicamentos, cerca de 500 mil doses de vacinas e 15 ambulâncias. O governo federal também destinou R$ 26,8 milhões para ações emergenciais do sistema de saúde.

Na terça-feira, haverá nova reunião do Gabinete Permanente de Emergências do Ministério da Saúde para monitorar a situação das áreas afetadas. Participam da reunião em Brasília técnicos da pasta, além de membros da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Clima e cuidados

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão é de que as chuvas fortes continuem no Nordeste nos próximos dias. O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas evitem ao máximo o contato com água ou lama provenientes das enchentes e esgotos, para se protegerem contra doenças como leptospirose, hepatite, além de sintomas como diarreia.

Outros cuidados importantes são com alimentos e água para consumo. As pessoas que vivem nas regiões afetadas devem sempre filtrar e ferver a água antes de beber, além de não consumir alimentos com aspecto fora do normal (úmido, mofado, murcho, cheiro ou cor estranha), ou que estejam com a embalagem estufada, aberta ou danificada.

    Leia tudo sobre: chuvasalagoasmortosdestruiçãosaúdevacinas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG