Aumenta o número de cidades em calamidade pública em Pernambuco

Até o momento, 12 cidades estão em estado de calamidade pública. Estado já confirmou 18 mortes por conta das chuvas

iG São Paulo |

O número de cidades que decretaram estado de calamidade pública em Pernambuco por conta das fortes chuvas que atingem o Estado subiu de nove para 12. De acordo com o boletim divulgado nesta segunda-feira pela Defesa Civil, os municípios de Primavera, Catende e Maraial passaram da situação de emergência para a de calamidade. Ao todo, chegam a 67 os municípios afetados pelas enchentes.

Até o momento, foram contabilizadas 18 mortes no Estado. O último corpo encontrado foi o de José Francisco da Silva, de 73 anos, soterrado em um deslizamento de barreira no município de Maraial. De acordo com a Defesa Civil, 26.966 perderam suas casas e precisam contar com a ajuda do Governo. Outras 55.643 seguem desalojadas e morando temporariamente na casa de amigos e parentes. A avaliação feita pelas coordenadorias municipais aponta que pelo menos 14.136 foram danificadas pelas chuvas.

Ajuda

O governo de Pernambuco divulgou que, até domingo, havia recebido 1 28 toneladas de roupas e 178,5 toneladas de alimentos , além de cobertores, lençóis, colchões, entre outros. A primeira ajuda internacional também aconteceu neste final de semana da Venezuela . Um avião das Forças Armadas venezuelana chegou à Base Aérea do Recife com toneladas de donativos, entre colchonetes, mantas, fraldas, alimentos e roupas. ( Saiba aqui como ajudar as vítimas )

O governador Eduardo Campos anunciou a antecipação do pagamento integral do 13º salário dos cerca de 5,5 mil servidores estaduais que moram em 12 cidades em estado de calamidade pública.

Destruição na terra dos poetas

A cidade de Palmares, uma das mais devastadas pelas chuvas, perdeu dois séculos de história e cultura . A força da água destruiu a prefeitura, casas, um cinema e pontes, além de danificar a estrutura de um templo centenário. Só restaram a dor, o desespero e a sensação de desamparo entre os 56 mil habitantes da cidade - terceira mais antiga do Estado e distante 105 quilômetros da capital Recife.

Foi a maior enchente da história de Palmares, segundo os moradores. “Essa enchente não vai mais ser esquecida pelos palmarenses. Até parecia um terremoto”, disse o radialista José Alberto Passos da Silva. Ele perdeu a casa localizada a 200 metros da beira do rio, o carro e documentos. “Fique só com a roupa do corpo”.


    Leia tudo sobre: chuvasalagoaspernambucomortosdestruição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG