Todo mundo aqui pagava IPTU, diz moradora do morro do Bumba em Niterói

Moradores dizem que tinham autorização para construir; secretário de Obras afirma que a ocupação não estava regularizada

Sabrina Lorenzi, iG Rio de Janeiro |

A dona de casa Marlene Pinheiro reconhece que foi avisada pelas autoridades sobre o perigo que correria se construísse sua casa sobre um aterro sanitário. Sem opção, porém, ela seguiu em frente e ficou mais tranquila depois que, segundo seu relato, a própria prefeitura de Niterói regularizou a construção da casa. "Eu pagava IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), todo mundo aqui pagava, contou Marlene, alternando lágrimas e gestos de indignação. Mais de 170 pessoas morreram no Estado.

O secretário de Obras, José Roberto Mocazel, afirmou que a ocupação não estava regularizada. "Não tem nada legalizado e pagar IPTU qualquer um pode pagar. Isso existe há mais de 40 anos", afirmou.

O deputado estadual Carlos Minc, ex-ministro do Meio Ambiente, visitou a região e considerou indevida a cobrança de IPTU na área. "Dá para ver claramente que a ocupação era ilegal. Dos anos 60 aos 80, essa área era um imenso lixão. Não poderia haver nenhuma construção aqui".

A secretária estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, Marilene Ramos, disse que a provável causa do deslizamento foi uma explosão do gás metano em decomposição do antigo lixão situado no alto do Morro do Bumba. O lixo em decomposição teria formado uma bolsa de gás metano que em contato com o ar causou a explosão ouvida pelos moradores.

Marlene pulou da janela quando a casa começou a desabar, junto com os irmãos que morava com ela, na noite de quarta-feira. "Parece que a casa esperou a gente pular para então despencar morro abaixo", lembrou.

Dez anos de história

Assim como vários outros moradores que conseguiram escapar do desmoronamento no morro do Bumba, no bairro do Viçoso Jardim, em Niterói, Marlene perdeu tudo o que construiu e comprou ao longo dos últimos dez anos.

AE
Bombeiros trabalham no resgate a vítimas no Morro do Bumba

"Todo mundo sabia que era um lixão proibido para a construção e mesmo assim invadiu. Mas a associação de moradores conseguiu autorização para que as pessoas pudessem morar. Então, ninguém imaginava que isso fosse acontecer, que viesse à tona desse jeito".

Segundo ela, mesmo depois das fortes chuvas que começaram na segunda-feira nenhuma autoridade pediu para que a sua família e os demais vizinhos saíssem. "A gente estava aqui abandonado. Nunca ninguém veio fazer melhoria. Desde 1999 estou aqui e nunca vi uma obra de saneamento básico. O esgoto passava a céu aberto".

12 parentes desaparecidos

A secretária Roberta Bittilher Carlos corrobora as afirmações de Marlene. Ao ouvi-la falar com a reportagem do iG , Roberta disparou: "se as autoridades conheciam o risco e regularizaram as construções, imagina se os moradores iriam pensar em deixar suas próprias casas por medo de uma tragédia dessa pudesse acontecer?"

Roberta não era moradora do morro, mas acompanha o trabalho de resgate, pois está à procura de 12 a 15 parentes que estavam no local na hora do desmoronamento do morro do Bumba, entre tios, primos e primas. A avó foi resgatada da lama na noite de quarta-feira. "Minha avó pagava IPTU regularmente. Eu já paguei o IPTU para ela".

A preocupação de muitos, inclusive de Roberta e Marlene, além de encontrar parentes e amigos, é encontrar a documentação, pois tudo desabou com as casas. "Estamos na rua, sem casa, sem nada. Perdi tudo", conta Mauriceia da Silveira. Ela e outras dezenas de pessoas estão abrigadas em uma igreja evangélica próxima ao local.

(*Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro)

    Leia tudo sobre: chuvaniteróichuva no rio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG