Prefeitura orienta moradores sobre como prevenir doenças trazidas pelas chuvas

A Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil (SMSDC) do Rio de Janeiro divulgou nesta sexta-feira uma relação de medidas e orientações para prevenir doenças transmissíveis pela água e por alimentos contaminados. São atitudes simples como ferver água ou evitar contato com água e lama nas ruas.

iG São Paulo |


Arte iG

De acordo com a SMSDC, depois de chuvas fortes e inundações, as doenças que ocorrem com mais frequência são as transmitidas pelo consumo ou o simples contato com a água contamina, como a leptospirose e o tétano. Os males causados pelo consumo de água contaminada incluem diarreia, cólera, hepatite A e problemas intestinais. Os períodos de incubação variam entre algumas horas, no caso das diarreias, até semanas, como nas infecções do intestino.

Reconhecer os sintomas é essencial para acelerar o processo de cura e não deixar a doença ganhe complicações maiores. Segundo a médica Maria Claudia Stockler, febre de 37,8 já é um sintoma. Ela afirma que é fundamental procurar orientação médica antes de ingerir qualquer medicação.

A leptospirose, por exemplo, é transmitida pelo contato com água ou lama contaminadas pela urina de ratos. Os principais sinais e sintomas são febre, dor de cabeça e dores no corpo, em particular nas panturrilhas. Seu período de incubação é de até 30 dias. E o tétano é transmitido pela perfuração feita por arames e pregos, especialmente os enferrujados, ou outros objetos como farpas de madeira, que causam ferimentos e lesões de pele ou nas mucosas.

Ainda durante as inundações, animais peçonhentos como serpentes, escorpiões, aranhas, lagartas e até alguns tipos de peixes passam a procurar alimentos e abrigo nas proximidades das casas, trazidos pelo transbordo dos rios e canais.

A população precisa, ainda, estar atenta aos medicamentos guardados em casa: caso tenham sido afetados pela chuva não devem ser mais consumidos, devendo-se buscar orientação com os técnicos da Vigilância Sanitária Municipal sobre como jogá-los fora corretamente. Além disso, ao ir a uma farmácia, o cidadão deve observar a embalagem à venda, verificando sua integridade e se há indícios de umidade ou manchas - se houver, avise ao farmacêutico e também à Vigilância Sanitária. E nunca adquira nenhum produto fora da embalagem original.

Telefones úteis

  • Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil RJ - 2503-2280 ou 2506-2204
  • Telessaúde - 3523-4025 (atendimento 24 horas)

Medida de prevenção:

  • Evite a todo custo o contato com a lama e as sujeiras trazidas pelas águas das enchentes, e proíba as crianças de brincar com estas águas - se as vir fazendo isso, retire-as imediatamente e providencie um banho com água limpa e sabão;
  • Em casos de ferimentos, a pessoa deve lavar a parte afetada com água limpa e sabão e, conforme a extensão ou profundidade da ferida, buscar atendimento médico;
  • Em caso de sinais e sintomas de doenças, procure logo um serviço de saúde para avaliação médica. Para identificar a unidade de saúde mais próxima, consulte a página da Prefeitura na internet ou ligue para o Telessaúde (3523-4025), disponível 24 horas;
  • Depois de uma inundação, a limpeza dos locais afetados deve ser feita sempre com botas de cano alto ou botinas com perneiras, luvas ou mangas de proteção. Se não tiver esses equipamentos à mão, o cidadão deve utilizar sacos plásticos duplos para proteger mãos, braços, pés e pernas;
  • Durante a limpeza, lave bem o chão, as paredes e os utensílios domésticos atingidos pela água da enchente com sabão e água sanitária, bem como as roupas molhadas por essa água. Caso seja possível, utilize água fervendo para a lavagem. Não se deve usar água de inundação nem qualquer água contaminada para beber, fazer gelo, escovar os dentes, cozinhar ou lavar roupa;
  • Manter o lixo em recipiente com tampa, já que ele atrai insetos e moscas e é principal fonte de alimento para os ratos. Caso tenha animais de estimação (cães, gatos e outros), o dono deve retirar e lavar os vasilhames de alimento do animal todos os dias antes do anoitecer, pois eles também podem ser contaminados pela urina do rato;
  • Dar destino adequado às fezes e aos detritos. Não jogar lixo em esgotos, córregos e terrenos baldios, pois além de atrair roedores, o acúmulo dificulta o escoamento das águas, agravando o problema das inundações;
  • Sempre que for necessário mexer em buracos, vãos de pedras e ocos de troncos de árvores, use um pedaço de pau ou graveto, pois estes são os esconderijos preferidos dos animais peçonhentos. Não tente segurar quaisquer desses bichos com as mãos, mesmo depois de mortos, pois as presas continuam representando risco. 

Cuidados com a água

  • É importante observar algumas recomendações, tanto para a água usada no abastecimento geral quanto a água potável. Não consuma água sem tratamento ou de procedência duvidosa. No caso de reservatórios e cisternas, faça a limpeza utilizando sabão neutro e a concentração de 1 litro de água sanitária diluído em 5 litros de água - quantidade suficiente para uma caixa dágua de mil litros;
  • Sobre a água para beber, esta deve ser filtrada e fervida. Mesmo após a filtração em filtro doméstico, é indicado que seja fervida, para eliminar quaisques micróbios. Caso não seja possível ferver, obtenha água de uma fonte que não tenha sido contaminada por esgoto ou água de enchente e, após a filtração, pingue 5 (cinco) gotas de água sanitária (hipoclorito de sódio a 2,5%) para cada litro de água filtrada, esperando 30 minutos antes de consumi-la.

Cuidados com alimentos

  • Lavar e desinfetar todas as superfícies, utensílios e equipamentos usados na preparação de alimentos. Separar os alimentos crus dos cozidos e recozinhar tudo o que for possível, descartando o que tenha tido contato com as águas da enchente;
  • Não consumir alimentos embalados em plástico, papel, papelão ou qualquer outra embalagem que absorva umidade e tenha tido contato com as águas contaminadas. Também jogue fora embalagens de alimentos e bebidas que contenham tampas de rosca ou tampas removíveis, pois não há como desinfetá-las nem garantias de que o conteúdo não foi contaminado;
  • Alimentos enlatados e embalados em recipientes não porosos (plástico rígido, vidro), desde que as embalagens não estejam rompidas ou amassadas, podem ser lavados, enxaguados e desinfetados em uma solução de água sanitária industrializada a 2,5%, na medida de 1 colher de sopa por litro de água potável. Podem ainda ser utilizados produtos industrializados para este fim, à venda no mercado, obedecendo às recomendações indicadas pelos fabricantes;
  • Jogue fora tábuas e utensílios de madeira, e também os objetos em plástico e os usados por crianças (bicos de mamadeiras, brinquedos de morder, chupetas etc), pois não há como desinfetá-los com total segurança;
  • Em caso de falta de energia, descarte alimentos perecíveis (carnes, ovos, laticínios, alimentos preparados etc.) que tenham ficado fora da temperatura de refrigeração (10ºC) por mais de duas horas. Os alimentos crus nestas condições, mesmo após o cozimento, podem causar problemas de saúde (intoxicação ou infecção alimentar);
  • Lave todos os utensílios de metal, cerâmica, louça ou vidro com sabão e água, também utilizando água fervente, se possível. Enxágüe e deixe de molho na água fervendo em recipiente limpo, contendo 1 (uma) colher de sopa (10 ml) de água sanitária a 2,0 ou 2,5 %, por litro de água limpa, por 20 minutos. Deixe somente escorrer para secar.


Dramas e relatos

Leia também:

Leia mais sobre: chuvas

    Leia tudo sobre: chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG