Prefeito diz que governo federal repassou R$ 90 milhões para ações emergenciais no Rio

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), anunciou na manhã desta sexta-feira, durante reunião com secretários, que o município já recebeu cerca de R$ 90 milhões das verbas solicitadas ao governo federal para cobrir os prejuízos causados pelas chuvas na região. O montante representa cerca de um quarto do dinheiro pedido pela prefeitura para obras emergenciais, que devem ser iniciadas nos pontos mais afetados somente na noite de segunda-feira.

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |


Arte iG


Segundo Paes, que nesta sexta-feira publicou no Diário Oficial do Município (DOM) uma série de decretos com autorização de crédito suplementar para órgãos responsáveis pela reconstrução do Rio, os trabalhos de contenção e recuperação de leito de rios, com serviços de limpeza e dragagem, já foram iniciados.

Em apenas um decreto foi autorizada a abertura de crédito suplementar de R$ 734 mil para reforço da dotação da Fundação Instituto de Gotécnica do município (Geo-Rio) . 

A prefeitura ainda aguarda a liberação de R$ 270 milhões solicitados ao Ministério da Integração Nacional.

O governo federal já anunciou que vai liberar, num primeiro momento, R$ 200 milhões para atendimento das situações de emergências causadas pelas chuvas no Estado do Rio de Janeiro.

Também foram anunciadas medidas na área de saúde, entre elas a renovação da frota da SAMU 192, com a antecipação da entrega de 50 novas ambulâncias, e a entrega de 52 kits para enchentes com medicamentos e material de primeiros socorros. Cerca de 75 mil desabrigados podem ser atendidos com esses novos recursos, segundo a Casa Civil.

Vias liberadas

Na reunião, o prefeito disse que a situação melhorou no Rio, após chuvas intensas no início da semana, e que algumas vias, antes interditadas, começaram a ser abertas, como a Grota Funda e o Alto da Boa Vista. A estimativa é que a situação nesses lugares deve ser totalmente normalizada na próxima segunda-feira.

Segundo Paes, a prefeitura dispõe hoje de um levantamento das áreas de risco com mais possibilidade de deslizamento. Um dia antes, ele publicou decreto que autoriza agentes públicos responsáveis por ações de resposta aos desastres e a Defesa Civil a penetrar nas casas, mesmo sem o consentimento do morador, para prestar socorro ou para determinar a pronta evacuação. A ideia, segundo o prefeito, é manter a medida em razão da possibilidade de novas chuvas na cidade.

Somente na capital, as tempestades causaram a morte de 57 pessoas - outras 57 ficaram feridas por causa dos deslizamentos, de acordo com o Corpo de Bombeiros.

Dramas e relatos

Leia também:

Leia mais sobre: chuvas


    Leia tudo sobre: chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG