Cerca de 40% dos equatorianos não satisfazem suas necessidades básicas

Quito, 10 mai (EFE).- Um estudo divulgado hoje pelo governo equatoriano concluiu que 44,41 % da população do país não satisfaz pelo menos uma de suas necessidades básicas como educação, moradia, saúde, acesso a água corrente, entre outras.

EFE |

Quito, 10 mai (EFE).- Um estudo divulgado hoje pelo governo equatoriano concluiu que 44,41 % da população do país não satisfaz pelo menos uma de suas necessidades básicas como educação, moradia, saúde, acesso a água corrente, entre outras. Esse índice supõe uma redução de 2,15% a respeito dos níveis registrados em 2006, quando ficou em 46,56% da população, informou o titular da Secretaria Nacional de Planejamento e Desenvolvimento (Senplades), René Ramírez. Ramírez ressaltou que, com relação à população em situação de pobreza extrema com necessidades básicas insatisfeitas, ou seja, que não têm cobertas dois ou mais necessidades básicas, a diminuição durante o período do atual Governo foi de 5,3%, caindo de 29,4% em 2006 para 24,1% em 2009. Além disso, ressaltou que dentro da comunidade indígena, uma das mais marginalizadas tradicionalmente no país, a pobreza extrema diminuiu nesse período 10,24%, de 65,23% em 2006 para 54,99% em 2009. O estudo, realizado com dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INEC) e outros centros de pesquisa recolhe, além disso, os índices de pobreza e extrema pobreza segundo a renda, outra metodologia que compara a renda per capita com uma linha de pobreza calculada de acordo com índices econômicos anuais. Em 2009 a linha de pobreza no Equador ficou em US$ 24,28 quinzenais. "Geralmente os países não se preocupam muito com a pobreza extrema porque é a mais difícil de sair, já que é a pobreza estrutural", que implica "um amplo investimento e acompanhamento do Estado", disse. Por outro lado, Ramírez explicou que durante os três anos do Governo do presidente Rafael Correa também se reduziu o coeficiente Gini, que mede a desigualdade, neste caso, de renda entre a população. EFE ic/pb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG