Estou bem de coração e de consciência , afirma Alexandre Nardoni ao pai - Caso Isabella Nardoni - iG" /

Estou bem de coração e de consciência , afirma Alexandre Nardoni ao pai

O pai de Alexandre Nardoni, o advogado tributarista Antonio Nardoni, afirmou nesta segunda-feira, antes de entrar no tribunal do júri, que conversou com o filho no domingo e que Alexandre disse estar com o pensamento positivo e confiante. ¿Estou bem de coração e de consciência¿, afirmou o réu de acordo com o pai. Agora é o momento de esclarecer que as coisas não são exatamente como apareceram na mídia, completou.

Lecticia Maggi, iG São Paulo |


Clique aqui para ver o infográfico

Segundo Antonio, se Alexandre e Anna Carolina Jatobá forem condenados, essa será a terceira grande injustiça do País. Tivemos a da Escola Base, o monstro da mamadeira (mãe presa por suspeita de dar mamadeira com cocaína à filha) e agora eles. Não tem nada nos autos que prove a culpa dos réus".

"Esperamos que a justiça seja feita e que os jurados tenham vindo dispostos a pelo menos ouvir a defesa, sem prejulgamento", disse.

O pai de Alexandre relatou que gostaria que os jurados fossem até o apartamento do casal no edifício London, onde a menina Isabella foi jogada, segundo o Ministério Público, no dia 29 de março de 2008, mas isso não é possível porque eles não fazem parte da defesa. Nesta manhã, Nardoni foi até o apartamento acompanhado do advogado para olhar bem o local.

AE
Antonio Nardoni e a irmã de Alexandre,
Cristiane, chegam ao Fórum de Santana
O pai de Alexandre disse também que não é só a vida do casal que está paralisada. Até atravessar a rua é difícil, afirmou em relação à repercussão do caso. Ele também negou que tenha feito qualquer adulteração no apartamento e afirmou que recebeu a chave no domingo, mas só entrou no local após o enterro da neta.Liguei para o Dr. Calixto (delegado) e ele disse que eu tinha as chaves e poderia entrar lá. Eu subi para pegar roupas dos meus netos. 

Sobre a ausência de sua esposa, avó de Isabella, no julgamento, disse que ela não tem condições de acompanhar. "O coração dela não aguentaria. Ela adorava a Isabella mais do que qualquer um."

Anna Carolina Jatobá

O casal chegou ao local do júri por volta das 8h30. Segundo um cabo da PM, que faz a segurança no local, a madrasta de Isabela, Anna Carolina Jatobá,  chora desde o momento que chegou . O polícial militar ainda informou que, ao contrário de Anna Carolina, Alexandre Jatobá parecia estar calmo. Os dois se alimentaram no presídio de Tremenbé, antes de viajar para a capital.

Julgamento

Começou às 14h17 , com mais de uma hora de atraso, o julgamento do caso Isabella. Pai e madrasta são acusados da morte da menina, mas negam o crime. O acesso à sala de julgamento é restrito. Na plateia, há apenas 77 lugares, sendo que 20 deles foram disponibilizados para jornalistas. O juiz Mauricio Fossen proibiu a realização de imagens ou liberação de áudio do julgamento.

AE
Mãe de Isabella ao chegar ao fórum

Mãe de Isabella chega ao fórum

Até agora pela manhã, a presença do pedreiro Gabriel dos Santos Neto , uma das testemunhas arroladas pela defesa do casal, que não havia sido localizado para receber a intimação, era dúvida. Mas ele foi a primeira testemunha a chegar ao fórum. Existia a possibilidade de o julgamento ser adiado sem a presença do pedreiro, que foi intimado por ter dado uma entrevista em que afirmava que a obra nos fundos do edifício London havia sido arrombada. Depois, em depoimento à polícia, o pedreiro negou a informação.

A movimentação em frente ao Fórum de Santana, na zona norte de São Paulo, é grande desde o começo da manhã. Lá está sendo realizado o julgamento que tem previsão para durar até cinco dias. 

O julgamento deve durar de quatro a cinco dias. Em caso de condenação, dificilmente os réus terão o direito de recorrer em liberdade. Se forem absolvidos, o juiz Maurício Fossen terá de emitir um alvará de soltura ao término da sessão.

A primeira etapa do julgamento é o sorteio dos jurados. Sete pessoas serão escolhidas entre um grupo de 40 indivíduos pré-selecionados pela Justiça. Defesa e acusação podem recusar, cada uma, até três pessoas sorteadas. Depois deste processo, serão ouvidas as testemunhas.

Primeiro as de acusação (seis) e depois as da defesa (20) - três deles coincidem com as de acusação, daí o total de 23. A maioria é formada por policiais, peritos e médicos-legislas que aturam no caso. Por fim, os réus serão interrogados.

Concluída a fase dos depoimentos, será a vez dos debates entre a acusação e a defesa. Cada um terá o direito de falar por duas horas e meia. Se a promotoria quiser, poderá usar mais duas horas para réplica, o que automaticamente dará direito à defesa de usar o mesmo tempo para tréplica.

Terminado o debate, os jurados serão questionados pelo juiz se têm condição de julgar o caso e se querem alguma explicação. Se o júri responder que sim, todos passarão à sala secreta e decidirão o destino do casal.

O casal é acusado de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima.

Futura Press
Carro em que Alexandre Nardoni foi levado ao Fórum de Santana

Carro em que Alexandre Nardoni foi levado ao Fórum de Santana

Leia também:

Leia mais sobre: caso Isabella


    Leia tudo sobre: isabella nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG