Júri é retomado com argumentação da defesa do casal Nardoni

Roberto Podval, advogado de defesa de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, apresenta ao jurado, desde as 14h50 desta sexta-feira, a sua tese para a morte de Isabella Nardoni. O casal é acusado de matar a menina. O julgamento é realizado no Fórum de Santana, em São Paulo, e hoje entrou na reta final. A sentença deverá ser anunciada pelo juiz Mauricio Fossen à 1h deste sábado.

Lecticia Maggi, iG São Paulo |


Clique aqui para ver o infográfico

Antes, o promotor Francisco Cembranelli defendeu a sua tese por duas horas e trinta minutos para a morte de Isabella. Ele disse que a versão do casal Nardoni "não faz sentido" , criticou o trabalho da defesa e foi irônico ao falar sobre a hipótese da terceira pessoa no crime.

Terminada a fala de Podval, que também terá duas horas e trinta minutos para defender sua tese, começará um debate entre promotoria e defesa.

Ana Carolina de Oliveira, mãe de Isabella Oliveira, não assiste ao júri, segundo sua advogada, por estar muito "debilitada". Ela disse, por meio da advogada, que "apesar de não ter tido a oportunidade de acompanhar o júri, espera que a Justiça seja feita "

Após esta etapa, os jurados serão questionados pelo juiz se eles têm condição de julgar o caso ou se querem alguma explicação. Se o júri responder que há condição de julgar o caso, todos passarão à sala secreta e decidirão o destino do casal.

Na sala secreta, eles respoderão "sim" ou "não" para uma série de perguntas do juiz. A resposta é secreta. Responderão primeiro se o crime efetivamente existiu. Depois uma sequência de perguntas, entre elas, se os réus foram os autores daquele crime e se devem ser absolvidos ou não. Tendo as respostas em mãos, o juiz define a pena de cada um dos réus e anuncia a sentença.

O jurado é formado por sete pessoas, sendo que cinco delas nunca tinham participado de um júri. São quatro mulheres e três homens que decidirão na madrugada deste sábado o destino do casal Nardoni.

Acusações

O casal é acusado de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima. Se condenados, a pena de Alexandre Nardoni será maior que a de Anna Carolina Jatobá, por ser um homicídio contra um descendente.

Na quinta-feira, os dois negaram as acusações contra eles. Em interrogatório, choraram, chegaram a sensibilizar parte do jurado e fizeram acusações contra a equipe policial que cuidou do caso. Houve algumas contradições entre os depoimentos de Anna Carolina e Alexandre Nardoni. ( veja como foi o quarto dia de júri ).

Leia também:

Leia mais sobre: caso Nardoni

    Leia tudo sobre: nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG