Defesa dos Nardoni se reúne para decidir se pedirá novo júri

A defesa do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá vai se reunir nesta segunda-feira para definir como serão interpostos os recursos contra a decisão do júri que os condenou, na madrugada de sábado, pelo assassinato da menina Isabella Nardoni. Assim que foi lida a sentença, após cinco dias de julgamento, a defesa recorreu da decisão, mas não informou quais estratégias serão tomadas a partir de agora.

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |


Clique aqui para ver o infográfico


Uma das possibilidades estudadas será pedir que o casal seja julgado novamente por outro júri popular. O recurso, que permite um novo júri automático a condenados a mais de 20 anos de prisão, estava previsto no Código Penal em vigor na época do crime, em março de 2008. Cinco meses depois, a lei foi modificada. Mesmo assim, de acordo com a advogada Roselle Soglio, que defende o casal, o direito a esse recurso pode ser estendido a casos que aconteceram antes da mudança da lei.

Ela ressalta, no entanto, que ainda não há decisão sobre quais medidas serão tomadas pela defesa. A reunião, da qual devem participar Soglio e o advogado Roberto Podval, deve acontecer nesta segunda-feira à tarde. Em contato com a reportagem, Podval afirmou que só falará com a imprensa a partir de segunda-feira.

Soglio afirmou que a defesa ainda não teve contato com o casal após o resultado do júri, em razão dos protestos e confusão que marcaram a saída de Alexandre Nardoni e Anna Jatobá do fórum de Santana, zona norte de São Paulo, onde aconteceu o julgamento. Certo mesmo, disse, é que a equipe de Podval continua à frente do caso.

Logo após o julgamento, Podval afirmou ao jornal O Estado de S.Paulo que considerou um absurdo que Jatobá tenha sido condenada sem provas de que ela esganou a menina. Ele evitou dar entrevista coletiva na saída do fórum.

A pena do pai de Isabella foi de 31 anos, um mês e 10 dias de prisão, enquanto a madrasta terá de cumprir 26 anos e oito meses de reclusão, segundo sentença lida pelo juiz Maurício Fossen. Eles foram condenados por homicídio triplamente qualificado, por terem cometido o crime de forma cruel, com recurso que impediu a defesa da vítima e contra menor de 14 anos.

Nardoni pegou uma pena maior por ter praticado o crime contra sua filha. Os dois ainda foram condenados a 8 meses de detenção em regime semiaberto por fraude processual. Com isso, Anna Jatobá ficará detida em regime fechado ao menos por mais 8 anos e meio, quando terá cumprido dois quintos da pena e poderá pedir o semiaberto. Nardoni terá de cumprir no mínimo 10 anos de prisão antes de poder requerer o mesmo benefício.

Neste domingo, durante visita ao filho, o pai de Alexandre, Antônio Nardoni, demonstrou ter esperança em uma possível anulação do julgamento. "Neste país é difícil acreditar em alguma coisa, mas continuamos acreditando", disse.

Segundo o promotor Francisco Cembranelli, a pena aplicada ao casal é adequada e não deve ser modificada em novos julgamentos.

Isabella Nardoni foi assassinada em 29 de março de 2008. Segundo a Justiça, ela foi jogada da janela do 6º do Edifício London por Alexandre Nardoni. Antes, sofreu esganadura por Anna Carolina Jatobá. A menina tinha, na época dos fatos, 5 anos.

Leia mais sobre: caso Nardoni

Com informações da Agência Estado.

    Leia tudo sobre: isabella nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG