Considerada testemunha-chave, mãe de Isabella Nardoni chega ao Fórum de Santana

A mãe de Isabella Nardoni, Ana Carolina de Oliveira, chegou ao Fórum de Santana, por volta das 11h15 desta segunda-feira. Ela chegou acompanhada dos avós maternos de Isabella e da advogada Cristina Christo Leite, que também será assistente de acusação do promotor Francisco Cembranelli.

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |


Clique aqui para ver o infográfico

AE
Mãe de Isabella ao chegar ao fórum

Mãe de Isabella chega ao fórum

Vestida com calça jeans e camiseta branca, Ana Carolina entrou pela porta lateral do fórum e não falou com a imprensa. Ela é considerada testemunha-chave pela promotoria e foi arrolada como uma das 24 testemunhas do caso.

Em entrevista ao iG , na semana passada, Ana Carolina afirmou que "conhece bem os Nardoni" e pode tirar dúvidas durante o julgamento, previsto para começar às 13h.

O casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, acusados da morte da menina Isabella Nardoni que foi jogada do 6º andar do prédio em que eles moravam em 29 de março de 2008, também está no fórum. Eles chegaram por volta das 8h30 e aguardam o julgamento em salas separadas .

Julgamento

O julgamento deve durar de quatro a cinco dias. Em caso de condenação, dificilmente os réus terão o direito de recorrer em liberdade. Se forem absolvidos, o juiz Maurício Fossen terá de emitir um alvará de soltura ao término da sessão.

O julgamento começará com o sorteio dos jurados. Sete pessoas serão escolhidas entre um grupo de 40 indivíduos pré-selecionados pela Justiça. Defesa e acusação podem recusar, cada uma, até três pessoas sorteadas. Depois deste processo, serão ouvidas as testemunhas.

Primeiro as de acusação (seis) e depois as da defesa (20) - três deles coincidem com as de acusação, daí o total de 23. A maioria é formada por policiais, peritos e médicos-legislas que aturam no caso. Por fim, os réus serão interrogados.

Concluída a fase dos depoimentos, será a vez dos debates entre a acusação e a defesa. Cada um terá o direito de falar por duas horas e meia. Se a promotoria quiser, poderá usar mais duas horas para réplica, o que automaticamente dará direito à defesa de usar o mesmo tempo para tréplica.

Terminado o debate, os jurados serão questionados pelo juiz se têm condição de julgar o caso e se querem alguma explicação. Se o júri responder que sim, todos passarão à sala secreta e decidirão o destino do casal.

Leia mais sobre: caso Isabella

    Leia tudo sobre: nardoni

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG