Caso Isabella Nardoni

enhanced by Google
 

A partir de 2ª vou andar diferente, diz mãe de Isabella

Ana Carolina de Oliveira falou pela primeira vez depois do fim do julgamento que condenou o casal Nardoni pela morte de Isabella

iG São Paulo | 27/03/2010 11:45

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-

A mãe da menina Isabella Nardoni, Ana Carolina de Oliveira, falou pela primeira vez a uma emissora de televisão, depois do fim do julgamento que condenou, na madrugada deste sábado, o casal Nardoni pela morte da menina, em março de 2008. Ana Carolina falou na manhã deste sábado por volta de cinco minutos com apresentadores do programa Hoje em Dia, da Rede Record. Ela declarou: "A partir de segunda-feira vou andar diferente".

Ana Carolina afirmou que, no momento em que falava ao programa, estava deitada ainda porque estava muito exausta. Ela contou também que não tinha condições de ficar no Fórum de Santana, na zona norte da capital paulista, para acompanhar o desfecho do julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá.

À tarde, ela conversou por cerca de 20 minutos com repórteres que estavam em frente ao prédio onde ela mora com os pais, na Vila Maria, zona norte da capital. Ela desceu acompanhada de parentes e da mãe, Rosa Maria Oliveira. Durante toda a entrevista, ficou abraçada a uma menina, filha de uma vizinha.

"A justiça foi feita, mas o vazio ficou. Minha filha não vai voltar", disse a mãe de Isabella Nardoni, Ana Carolina Oliveira, sobre o resultado do júri que condenou o casal Nardoni pela morte da menina.

"Minha vida vai entrar em uma nova fase", afirmou ela. Ana Carolina estava tranquila no início da entrevista, mas ficou abalada e chorou quando falou da filha, morta em 29 de março de 2008.

Aparentando muito cansaço, ela disse que só conseguiu dormir por volta das 5h, pois "a adrenalina estava alta". Ela disse que o juiz Mauricio Fossen foi muito competente e que a condenação de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foi justa. Ela afirmou ainda que estava muito confiante nessa condenação, pois todas as provas estavam no processo.

Foto: AE

Um dia após o julgamento, Ana Carolina, mãe de Isabella, fala com repórteres em frente da casa dos pais, em SP

Ana Carolina também descreveu a sala do Fórum de Santana, na zona norte da capital, onde ficou confinada durante três dias. Segundo ela, era uma sala pequena, sem ventilação e sem janelas. Ela chegou a ser encaminhada à enfermaria do Fórum com queda de pressão.

Disse ainda que a terapia ajudou a enfrentar o momento em que prestaria o depoimento, mas quando falou aos jurados regrediu ao estágio emocional no qual se encontrava há dois anos, quando a filha morreu.

A mãe de Isabella não teve condições de acompanhar o anúncio final do juiz no fórum e ficou insegura quanto ao resultado.

Me senti como uma presa algemada, afirmou ela, que está sendo acompanhada de perto pelo psicólogo José Milton Kotzdent, que trata de Anna Carolina há dois anos.

Na quinta-feira, um psiquiatra fez uma avaliação em seu estado de saúde e o juiz Mauricio Fossen determinou que ela fosse liberada. O iG divulgou com exclusividade, na quarta-feira, que a mãe de Isabella estava à beira de uma crise de depressão por causa do confinamento.

Condenação

Foto: Futura Press

Chorando, mãe de Isabella aparece em sacada após condenação de casal

O Tribunal do Júri condenou o casal nesta madrugada. A pena do pai de Isabella foi de 31 anos, um mês e 10 dias de prisão, enquanto a madrasta pegou 26 anos e oito meses de reclusão, segundo sentença definida pelo juiz Maurício Fossen.

A avó materna de Isabella Nardoni, Rosa Maria Cunha de Oliveira, afirmou que a família Oliveira está muito aliviada com a condenação do casal Nardoni pela morte da neta, há cerca de dois anos. "Não é porque eles têm dinheiro que iriam ficar impunes", disse Rosa.

"Eles (Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá) foram condenados porque foram eles (que cometeram o crime)". Ela afirmou ainda que a condenação é um exemplo para as pessoas que pensam que um crime como esse pode ficar impune.

* Com informações da Agência Estado e Ricardo Galhardo, iG São Paulo

    Notícias Relacionadas


    Nenhum comentário. Seja o primeiro.


    Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




    *Campos obrigatórios

    Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado


    Ver de novo