O Sol Enganador 2 é o pior filme da competição

Produção de Nikita Mikhalkov sobre a Segunda Guerra Mundial abusa de truques manjados e melodramáticos

Mariane Morisawa, enviada especial a Cannes |

Divulgação
O diretor russo Nikita Mikhalkov atuando em O Sol Enganador 2 ¿ Exodus
O Sol Enganador 2 – Exodus , de Nikita Mikhalkov, contém uma boa ideia: um filme sobre a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial mostrando o preço pago por ela, tanto pelo país quanto pelo povo. Dessa forma, o longa-metragem por vezes parece falar sobre uma derrota. Mas as qualidades do último competidor deste 63o Festival de Cannes, exibido na manhã deste sábado 22 para a imprensa, ficam por aí mesmo.

Em 1994, O Sol Enganador saiu de Cannes com o Grande Prêmio do Júri. Agora, o diretor retoma seu protagonista, Sergey Kotov (interpretado por ele mesmo), e sua filha Nadia (vivida pela filha do cineasta, Nadia Mikhalkova), que era uma menina de seis anos no primeiro filme e agora é uma adolescente. Eles se perdem durante a guerra, porque o pai está num campo de prisioneiros, acusado de traição pelo regime de Josef Stálin. Mesmo sem saber se o outro está vivo, buscam-se em meio ao caos. É esse amor que os mantém sobrevivendo.

A guerra no front da Europa Oriental é cheia de boas histórias. O problema é que a produção, uma das caras já feitas na Rússia, quer muito ser épica e poética e acaba com a cara de um grande novelão, cheio de truques manjados como uso abusivo da câmera lenta, closes em borboletas e frutas, interpretações dramáticas. Várias sequências sacrificam a verossimilhança em nome da suposta originalidade – um navio da Cruz Vermelha é atacado por causa de uma piada de mau gosto, e Nadia se agarra a uma mina terrestre para flutuar até terra firme. Salvam-se poucas cenas, como a da sinfonia dos relógios, que fazem jus a filmes anteriores do diretor, como o sutil Olhos Negros . Para completar, o longa-metragem não tem fim – porque haverá uma outra parte. O 63o Festival de Cannes não poderia terminar de forma pior.

Na coletiva de imprensa após a exibição, o diretor Nikita Mikhalkov contou que, quando fez o primeiro O Sol Enganador , não tinha intenção de filmar uma sequência. “Mas o desejo de fazer um longa-metragem sobre a guerra surgiu nessa época”, disse. “A primeira vez que senti vontade foi quando assisti ao ótimo O Resgate do Soldado Ryan , falando da chegada dos aliados na Normandia. Eu vi o filme em Paris e, na saída, muitos jovens faziam comentários e estavam convencidos de que o desembarque na Normandia foi o que definiu a guerra. E Spielberg, um diretor maravilhoso, completou sua missão, mostrando a guerra de seu ponto de vista. Eu queria mostrar a guerra do meu ponto de vista. Queria expor o processo, o sofrimento e as perdas que os soldados russos enfrentaram.”

Ele se defendeu das críticas de que o filme seria favorável a Josef Stálin. “Não é pró nem contra Stálin, é um filme sobe o amor. Não a história de amor de um homem e de uma mulher, mas de um pai e de uma filha. Nenhum dos dois sabe que o outro está vivo, mas eles são inspirados pelo amor e pela fé.” Indagado sobre os pontos de semelhança entre ele e o seu personagem, o cineasta disse: “Só o amor pela minha filha”.

O diretor precisou comentar o orçamento do filme, de US$ 40 milhões, parcialmente financiado pelo governo. “O resto veio de fundos privados, pessoas que confiam na minha equipe. É duro porque você constrói sua reputação a vida inteira e depois tem de defendê-la”, disse. “Os críticos deveriam ficar felizes porque fizemos um filme de arte enorme com um orçamento enorme. Ter esse tipo de orçamento é extraordinário. Estou feliz porque falamos que íamos conseguir esse dinheiro e conseguimos. Precisamos disso para montarmos uma indústria e um dia conseguirmos fazer filmes sem ajuda do governo, que é como as coisas deveriam ser. Tem quem diga que poderiam ser feitos 20 filmes com esse dinheiro, mas não é o que vai ajudar o cinema. Adoro filmes de arte. Mas eles são ostras, ninguém pode sobreviver só de ostras. É preciso de pão, manteiga, salsichas."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG