Apostas da premiação em Cannes 2011

Sem unanimidades, resultados são difíceis de prever nesta edição do evento

Mariane Morisawa, enviada especial a Cannes |

Divulgação
Com um quê de "Taxi Driver", "Drive", o noir cheio de estilo de Nicolas Winding Refn, é uma das apostas
A Palma de Ouro vai para... Difícil prever. Mais do que em anos anteriores, em que o favorito (ou favoritos) apresentaram-se de forma quase unânime, este Festival de Cannes foi marcado pela divisão de opiniões. Muita gente amou “A Árvore da Vida” , de Terrence Malick, muita gente detestou. Muito crítico adora “Le Havre” , de Aki Kaurismäki, outros acham fraco para uma Palma. Mais complicado ainda é prever o que vai na cabeça de Robert De Niro, um ator que já fez quase de tudo. Mas todo o mundo acha que os filmes que agradam De Niro são aqueles que fez no início da carreira, tipo “Taxi Driver”, e, claro, seus dois longas como diretor, sempre na linha do gênero thriller e policial. Outras vozes importantes do júri devem ser os cineastas Olivier Assayas e Johnnie To, ambos adoradores dos filmes pop.

Apesar das críticas a seus trechos cósmicos, espiritualizados, quase religiosos, “A Árvore da Vida” poderia representar a premiação de um dos grandes cineastas do mundo, que nunca levou a Palma de Ouro, além de ser uma escolha adequada pela ambição, realização e humanismo. Muita gente começou a apostar no forte “Drive” , o noir cheio de estilo de Nicolas Winding Refn, que tem um quê de “Taxi Driver”.

AFP
Polêmicas de Lars Von Trier podem ter prejudicado as chances de "Melancolia" nesta edição de Cannes
“Le Havre”, de Aki Kaurismäki, e “Le Gamin au Vélo” , de Jean-Pierre e Luc Dardenne, favoritos dos críticos, talvez não chamem tanto a atenção do júri presidido por De Niro – e vale lembrar que a Palma de Ouro normalmente reflete o pensamento do presidente e não do corpo dos jurados. Também de gênero, “Ichimei” , de Takashi Miike, pode ter alguma chance. Já “Melancolia” parece estar de fora dos prêmios principais depois das polêmicas declarações de Lars Von Trier , considerado persona non grata em Cannes – apesar de o presidente Gilles Jacob ter dito que essa decisão nada prejudique o filme na competição, é improvável que o júri premie o longa nas categorias diretamente envolvidas com seu diretor, como Palma, Grande Prêmio do Júri (uma espécie de vice-campeonato), direção.

“This Must Be the Place” , de Paolo Sorrentino, até poderia ser um bom candidato, com sua concepção e realização estudadas, mas sua principal chance, ao que parece, é o troféu de ator para Sean Penn, que oferece uma daquelas performances chamativas de que os atores costumam gostar. É o oposto da interpretação contida, suave, de Michel Piccoli, de “Habemus Papam” , de Nanni Moretti, outro favorito. Ryan Gosling, de “Drive”, vai depender muito dos outros prêmios que o filme vai ganhar – normalmente, o júri evita dar mais de um troféu para a mesma produção. Correm por fora o garoto Thomas Doret, de “Le Gamin au Vélo”, de Jean-Pierre e Luc Dardenne, e o japonês Ebizo Ichikawa, de “Ichimei”. Antonio Banderas, que suprimiu todo o seu charme natural para “La Piel que Habito” , de Pedro Almodóvar, não deveria ser descartado.

Entre as mulheres, Tilda Swinton, que vai da alegria à catatonia em “We Need to Talk About Kevin” , de Lynne Ramsay, parece bem difícil de bater. Seria justo com este trabalho e com toda a carreira de uma atriz sempre brilhante. Kirsten Dunst, de “Melancolia”, dirigido por Lars Von Trier, seria uma segunda opção, e a suave Jessica Chastain, de “A Árvore da Vida”, apareceria em terceiro. A cerimônia de entrega dos prêmios do 64o Festival de Cannes acontece na noite deste domingo (22).

    Leia tudo sobre: Festival de Cannes 2011

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG