Diretor comenta 'Post Tenebras Lux', que chegou a receber vaias na sessão para imprensa

“Me sinto livre”, disse Carlos Reygadas, diretor do ambicioso “Post Tenebras Lux” , na coletiva de imprensa no início da tarde desta quinta-feira (24), dentro do Festival de Cannes 2012 . “Quando faço um filme, tento compartilhá-lo da melhor maneira parte do que sinto, do que penso, do que vivo, do que imagino. Por sorte, não encontro outros limites que não os meus próprios.”

Crítica: "Post Tenebras Lux" tem ambição suficiente para a Palma de Ouro

Cena de 'Post Tenebras Lux', filme de Carlos Reygadas
Divulgação
Cena de 'Post Tenebras Lux', filme de Carlos Reygadas

Muitos jornalistas pediram explicações sobre imagens específicas do filme ou sobre o que ele quis dizer em geral. “Tento fazer filmes realistas. Nós somos seres humanos, temos imagens do passado, sonhos, fantasias, futuros projetados que normalmente não acontecem como queremos”, afirmou.

Leia também: "Kerouac mostrava que é preciso viver à flor da pele", afirma Walter Salles

Por exemplo, uma cena com a presença de um diabo remete a um sonho recorrente que ele tinha quando criança, enquanto as imagens borradas nas bordas têm a ver com a percepção, ao construir sua casa, de que ele não gosta dos vidros invisíveis que temos hoje. “Prefiro janelas em que você não vê as coisas como se não houvesse vidro.”

O diretor mexicano Carlos Reygadas em Cannes
Getty Images
O diretor mexicano Carlos Reygadas em Cannes
Ele também disse que prefere não fazer distinções entre as imagens. “O público é sábio e avança rapidamente com o cinema, não precisamos desses códigos, dessas divisões entre o que é passado e presente, imaginação ou realidade. Respeito muito o público, acho que é crescido.”

Veja também: Kristen Stewart e Robert Pattinson se destacam nas fotos de Cannes

O mexicano também minimizou as vaias recebidas na sessão de imprensa na noite da quarta-feira (23). “Me alegra que parte dos jornalistas não goste. Não é meu objetivo ser visto pelo máximo de pessoas. O que me interessa é que certas pessoas sejam tocadas pelo filme.”

Da mesma forma, prefere que o espectador sinta seu trabalho, que ele disse ter feito de maneira muito instintiva. “O longa me saiu de maneira muito inconsciente, não precisei racionalizá-lo.”

Para uma repórter que declarou sua dificuldade de escrever uma sinopse de “Post Tenebras Lux”, afirmou: “Esse é o maior elogio que poderia receber. Espero que o filme não possa ser resumido facilmente. Você viu o que viu. Se o filme disse algo para você, é o que realmente conta.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.