"Camisas vermelhas" seguem acampados no centro de Bangcoc

Bangcoc, 18 mai (EFE).- Os manifestantes conhecidos por "camisas vermelhas" resistem a abandonar seu acampamento do centro comercial de Bangcoc, apesar do cerco imposto pelos soldados e do fim do prazo dado pelo Governo da Tailândia para que se dispersassem.

EFE |

Bangcoc, 18 mai (EFE).- Os manifestantes conhecidos por "camisas vermelhas" resistem a abandonar seu acampamento do centro comercial de Bangcoc, apesar do cerco imposto pelos soldados e do fim do prazo dado pelo Governo da Tailândia para que se dispersassem. Cerca de três mil membros do grupo continuam no interior da zona ocupada há cinco semanas, mesmo após conflitos com as forças de segurança que causaram pelo menos 37 mortes e deixaram quase 270 feridos. As autoridades ameaçaram punir com até dois anos de prisão os manifestantes que não saíssem do acampamento antes das 15h locais desta segunda-feira (3h em Brasília). Os partidários dos "camisas vermelhas" provocaram os soldados em diferentes pontos da capital ao longo do dia na segunda-feira, queimando pneus e saqueando pequenos estabelecimentos comerciais. Os líderes da Frente para a Democracia e contra a Ditadura, grupo apoiado pelos "camisas vermelhas", propuseram no domingo a retomada das conversas, desde que o Exército retirasse as tropas das ruas. Na segunda-feira, representantes do Governo e líderes de frente mantiveram conversas tentando buscar o fim da profunda crise política que causou a pior onda de violência no país desde o massacre de manifestantes por soldados, em 1992, por conta de protestos para exigir o retorno da democracia. O Governo retirou na semana passada sua proposta de realizar eleições em novembro, quando as negociações com os "camisas vermelhas" se estagnaram e seus líderes desistiram da iniciativa de abandonar o protesto. Os confrontos dos últimos dias entre manifestantes e soldados deixaram, além disso, 266 feridos. Desde o início dos protestos, em março, o número de feridos já chega a 1.650, enquanto os mortos somam pelo menos 66. EFE mfr/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG