"Camisas vermelhas" aceitam plano de reconciliação do Governo

Bangcoc, 4 mai (EFE).- Os chefes dos protestos que colocaram a Tailândia em uma de suas piores crises aceitaram o plano de reconciliação do primeiro-ministro, Abhisit Vejjajiva, que inclui eleições para 14 de novembro.

EFE |

Bangcoc, 4 mai (EFE).- Os chefes dos protestos que colocaram a Tailândia em uma de suas piores crises aceitaram o plano de reconciliação do primeiro-ministro, Abhisit Vejjajiva, que inclui eleições para 14 de novembro. A decisão saiu de uma reunião dos líderes da frente antigovernamental formada pelos "camisas vermelhas". Jaran Dittapichai explicou que pensa em apresentar ao Governo "sugestões e ofertas", mas não detalhou seu conteúdo, e acrescentou que a retirada de seus seguidores do centro da capital não será feita imediatamente. O acampamento montado pelos "camisas vermelhas" no coração comercial de Bangcoc oferecia hoje o mesmo aspecto que em dias anteriores, com grupos de manifestantes espalhados por uma área de três quilômetros quadrados que ocupam desde há um mês. O ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, deposto no levante de 2006, tinha recomendado aos "camisas vermelhas" aceitar a oferta de reconciliação. Em uma ligação telefônica efetuada do exterior durante a reunião mantida pelo Partido Puea Thai (dos Tailandeses), braço político da frente dos "camisas vermelhas", Shinawatra assinalou que tinha chegado o momento de colocar fim aos protestos. Os "camisas vermelhas" provêm em sua maioria das zonas rurais do norte e noroeste do país, as de maior densidade demográfica e redutos dos testas-de-ferro do multimilionário Shinawatra, condenado à revelia a dois anos de prisão por corrupção em 2008. Desde o início dos protestos, em 14 de março, 27 pessoas morreram e quase 1 mil ficaram feridas em explosões de granadas e outros artefatos e em enfrentamentos travados entre soldados das forças de segurança. A data para realizar eleições proposta pelo chefe do Executivo adianta em um mês a feita em abril pelo Governo às líderes dos "camisas vermelhas". O "mapa de caminho" inclui a reforma constitucional para erradicar a injustiça nas estruturas econômica e política, mediante o compromisso do Governo de fomentar o bem-estar com melhorias na educação e saúde. Além disso, o Governo se comprometeu a criar uma comissão independente encarregada de investigar as 27 mortes ocorridas nos enfrentamentos travados em 10 de abril entre "os camisas vermelhas" e os corpos de segurança em Bangcoc. EFE zm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG