O corpo da médica sanitarista e fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, foi sepultado neste sábado, às 16h45, no Cemitério Água Verde, em Curitiba. Acompanharam a cerimônia seu marido, Aloysio, seus dois filhos Silvia e Marcelo e um de seus netos. A cerimônia contou com a presença de cerca de 200 pessoas, entre familiares e integrantes da Pastoral, incluindo membros da Pastoral da Criança do Paraguai.

Dom Leonardo Steiner, primo de Zilda e bispo prelado de São Félix do Araguaia (MT), conduziu as últimas homenagens e orações de encomendação do corpo e também cantou uma música em alemão com a família de Zilda. "Que possamos assumir um compromisso com a causa de Zilda, com as crianças e os idosos, os mais fracos e os mais pobres", pediu o religioso.

AE
Cerca de 200 pessoas acompanham o enterro de Zilda Arns

Cerca de 200 pessoas acompanharam o enterro de Zilda Arns


Na chegada do corpo da fundadora da Pastoral da Criança ao cemitério, houve uma homenagem com salvas de tiros pela Polícia Militar. Do lado de fora do cemitério, as pessoas que não puderam participar acompanhavam e batiam palmas. O caixão estava coberto com a bandeira do Brasil e pombas brancas revoaram assim que ele desceu à sepultura. 
Homenagem

Populares estenderam faixas com mensagens de carinho e aplaudiram a passagem do cortejo em todo o trajeto, de cerca de 7 quilômetros, do Palácio das Araucárias, sede do governo estadual, onde foi realizado o velório. Escoltado por 20 batedores, o cortejo levou meia hora para chegar ao local do sepultamento.

A cerimônia do sepultamento é restrita a parentes e amigos mais chegados à família e a jornalistas.

Há pouco, no encerramento da missa de corpo presente, no Palácio das Araucárias, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que celebrou a cerimônia, emocionou os presentes, ao resumir a trajetória de Zilda Arns. Ela morreu como viveu. Viveu para os pobres e morreu com os pobres, no mais pobre país das Américas (Haiti).

Aos 75 anos, Zilda Arns foi uma das vítimas do terremoto que devastou o Haiti na última terça-feira (12). Ela estava no país em missão humanitária.

*Com informações da Agência Brasil e Agência Estado

Veja também:

Leia mais sobre terremoto


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.