Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Você tem medo de quê?

Você tem medo de quê? Por Por Maura Albanesi (*) São Paulo, 17 (AE) - Quem ainda não sentiu medo? Medo de dentista, avião, montanha russa, pessoas, da vida, medo do medo. Esta é uma reação inerente da condição humana, que cega e desabilita muitas pessoas, trazendo prejuízos a quem sente este sentimento paralisador.

Agência Estado |

É um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. É uma emoção que nega a ação e deixa qualquer pessoa petrificada. Diante de uma situação de medo, a pessoa se sente sem forças, fragilizada para agir, falta fé, tanto em si, em Deus e na vida, provedora de coisas boas. Normalmente, o medo vem atrelado com o sentimento de abandono e solidão.

A pergunta que se deve fazer é: "Onde está a sua força"? Em que momento da vida você decidiu se abandonar? Em que momento da vida você se desconectou com a força maior chamada Deus? Costumo dizer que, quem tem medo, perde a sua ligação com o todo.

O medo, na medida certa, é adequado, porque nos faz parar, examinar a situação, averiguar os riscos e trocar um plano de ação. Se não sentíssemos medo, como saberíamos que pular de uma altura de um prédio de dez andares é perigoso? O problema se instaura quando os riscos ficam maiores que as possíveis soluções, e a pessoa decide parar e tremer de medo até que algo, que não depende dela, aconteça.

Como nada acontece sem o impulso da própria pessoa, ela passa a desacreditar em Deus, achando que Ele a abandonou, não veio lhe salvar e, como uma ação, se encolhe, se esconde, alegando não ter forças, não saber o que fazer, e se entregando e aceitando o medo como único companheiro. O que era apenas para ser analisado, passa a ser agora remediado, e a espera de um milagre.

Para reencontrar a sua força perdida, a pessoa deve relembrar de momentos em que o medo esteve presente, mas que ela foi maior, enfrentou os desafios, se arriscou, se esforçou e conseguiu a vitória. Fazer um paralelo com os medos atuais e com as possibilidades de vitória fará com que a confiança em si retorne e possibilite traçar novos planos de ação.

(*) Maura de Albanesi é psicoterapeuta, pós-graduada em Psicoterapia Corporal, Terapia de Vivências Passadas (TVP), Terapia Artística, Psicoterapia Transpessoal e Formação Biográfica Antroposófica; Master Pratictioner em Neurolingüística e mestranda em Psicologia e Religião pela PUC.

(**) O conteúdo dos artigos médicos é de responsabilidade exclusiva dos autores.



Informações para a Imprensa

Holding Comunicações

Rodrigo Hernandes (MTB: 40.598)

E-mail: rodrigo.hernandes@holdingcom.com.br

Av. Paes de Barros, 2659 - cj.27 - São Paulo - SP

Fones: (11) 6161-7919 / 6161- 5709

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG