SÃO PAULO - Com medo, a maioria dos moradores da Avenida Giovanni Gronchi, no Morumbi, área nobre da zona sul de São Paulo, preferiu o silêncio nesta terça-feira. Bairro vizinho de Paraisópolis, o movimento no comércio caiu acentuadamente desde o início de segunda-feira do tumulto que deixou seis feridos.

As pessoas não descem dos prédios para comprar, estão em casa vendo TV, observou Roberto de Oliveira Filho, dono de uma banca de jornais onde as vendas caíram 60% nesta terça.

No restaurante que fica em frente a um dos 16 acessos à favela, o proprietário não quis dar entrevista. Mas os poucos clientes que foram até ali almoçar notaram a diferença: às 14 horas, o bufê ainda estava praticamente intacto e os funcionários, volta e meia, espiavam na janela - com receio de novos ataques de vandalismo ou confrontos.

Os poucos moradores e comerciantes que se dispunham a falar sobre o conflito pediam mais policiamento e uma ação enérgica dos órgãos de segurança pública. No 10º andar, dos fundos de um apartamento de R$ 500 mil, a síndica Rosanna Moretti de Rezende, de 75 anos, via 85% da favela. À distância, e com as impressões de quem tem Paraisópolis como vizinho há 24 anos, ela traça um perfil do lugar. Noventa e nove por cento dos moradores são honestos, é gente direita. O restante é bandido. Foram eles que fizeram a bagunça. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Assista ao vídeo


Leia mais sobre: protestos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.