Virgílio terá de devolver mais de R$ 210 mil ao Senado

BRASÍLIA - Integrante do Conselho de Ética do Senado, o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), terá de devolver R$ 210.696,58 aos cofres públicos.

Agência Estado |

Na segunda-feira, ele depositou a primeira parcela, no valor de R$ 60.696,58. O dinheiro se refere ao que o Senado pagou em salários para um assessor do líder tucano durante um ano e meio de estudo de teatro na Espanha. O senador disse que vai se desfazer de imóveis e realizar empréstimos para quitar a dívida.

Arthur Virgílio foi obrigado a devolver o dinheiro depois da revelação de que Carlos Alberto Andrade Nina Neto passara 18 meses no exterior, longe do gabinete do tucano, sendo mantido na Europa à custa do Senado. A diretora de Recursos Humanos, Doris Peixoto, informou ao líder do PSDB que os R$ 210 mil são a soma de salários e recolhimento de impostos que saíram das contas da Casa para custear as despesas com o assessor na folha de pagamento.

O líder tucano encaminhou nesta quarta-feira à reportagem o comprovante do depósito de R$ 60,6 mil feito na segunda-feira em nome da União - que deve repassar ao Senado os valores pertencentes à Casa. Essa primeira parte, segundo Virgílio, é resultado da venda de um terreno de sua mulher. O restante, informou o parlamentar, será pago em três parcelas de R$ 50 mil pelos próximos três meses.

Quero ver se todos farão o mesmo, disse. O assessor estudou fora - bancado pelo Senado - entre abril e julho de 2005 e, depois, de outubro do mesmo ano a dezembro de 2006. Nina Neto não é mais funcionário do Senado. Ele foi demitido em outubro do ano passado em meio ao cumprimento da decisão judicial contra o nepotismo - ele é filho do subchefe de gabinete de Arthur Virgílio, Carlos Homero Nina, servidor de carreira do Senado. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também:

Leia mais sobre: Coselho de Ética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG