Virgílio sugere que Agaciel Maia tentou chantageá-lo

O líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM), afirmou hoje, em discurso feito na tribuna do Senado, que nos últimos dias soube de rumores contra ele em relação a suposto uso irregular de verbas do Senado. Esses rumores, segundo Virgílio, seriam indícios de uma chantagem contra ele, e foi por isso que ele resolveu fazer o pronunciamento na tribuna esclarecendo tudo.

Agência Estado |

O senador deu a entender que a chantagem estaria sendo preparada pelo ex-diretor-geral da Casa Agaciel Maia, já exonerado do cargo sob acusação de cometer irregularidades.

O primeiro episódio, segundo ele, estava relacionado ao custeio do tratamento sua mãe - que sofria de Mal de Alzheimer -, pelo Plano de Saúde do Senado. "Espero que o Agaciel não tenha feito disso um ato secreto", ironizou Virgílio. O segundo caso relatado pelo líder tucano foi a suposta contratação de seu professor de jiu-jitsu, Oswaldo Alves, para ser funcionário de seu gabinete. O senador confirmou a contratação, mas afirmou que Alves não é seu professor. "Não estou praticando jiu-jitsu. Ele não é meu professor. E quando eu pratico, pratico em Brasília, com o professor João Roque. O professor Oswaldo Alves é uma das figuras mais respeitadas de Manaus, de interlocução com a juventude."

Virgílio resumiu sua convicção sobre a autoria desses rumores com a seguinte frase: "(O rumor) bateu por alguém ligado a esse meliante chamado Agaciel Maia." Virgílio contou que o terceiro episódio ocorreu durante uma viagem que fez à Europa com a mulher e dois filhos e que os rumores eram de que teria usado dinheiro do Senado para pagar a conta do hotel. O senador tucano disse que o que aconteceu foi que, ao chegar ao hotel e tentar confirmar a reserva, seu cartão de crédito não foi aceito.

Para resolver o assunto, ligou para seu gabinete no Senado em Brasília e pediu ajuda ao seu funcionário Carlos Romero para livrá-lo do "vexame", já que o hotel o havia recebido apesar do problema. O senador contou ainda que Romero, depois de resolvido o caso, comentou o assunto, em Brasília, em uma conversa informal com Agaciel.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG